Sines participa nas Jornadas Europeias do Património.

jep_2017_1_980_2500.jpg

A Câmara Municipal de Sines, através do Museu de Sines, participa na edição de 2017 das Jornadas Europeias do Património (JEP), com atividades ligadas ao seu património marítimo entre 22 e 26 de setembro.

As jornadas arrancam a 22 de setembro, com a visita/ateliê “Histórias da Praia de São Torpes”, no Castelo de Sines, para grupos escolares, mediante marcação.

No dia 23 de setembro, pelas 14h00, decorre uma visita guiada à obra de Recuperação e Musealização das Fábricas Romanas, onde os participantes ficarão a conhecer alguns pormenores técnicos do edifício do museu de sítio que está a ser construído para as proteger e dar a conhecer melhor. A visita exige marcação prévia, no Museu de Sines, e está limitada ao número máximo de 20 participantes.

Mais tarde, pelas 15h00, decorre uma visita guiada à exposição Memórias de São Torpes, patente no Castelo de Sines até 5 de outubro, seguida do lançamento da 12.ª edição do jornal Redes do Tempo, pelas 17h00, que aprofunda algumas das memórias mais curiosas desta praia.

À noite, pelas 21h00, o Castelo de Sines recebe uma tertúlia em torno da indústria conserveira de Sines, no passado, presente e futuro.

No dia 24 de setembro, decorre uma visita à Herdade da Provença, acompanhada por alguns dos seus antigos habitantes, que irão partilhar as suas histórias e saberes. A visita tem partida do Castelo de Sines, em autocarro, a partir das 15h00, mediante marcação no Museu de Sines e limitada aos lugares existentes no autocarro.

As jornadas terminam a 26 de setembro, no Forte da Ilha do Pessegueiro, com uma visita guiada por António Martins Quaresma, às 17h00, seguida pela entrega da carta de posições de naufrágios da costa alentejana pela Associação Portuguesa de Atividades Subaquáticas e Ecoalga, às 18h00. Às 19h00, decorre uma prova de vinhos da região acompanhando o pôr-do-sol na ilha.

As atividades têm entrada gratuita.

As JEP são uma iniciativa anual do Conselho da Europa e da União Europeia, envolvendo cerca de 40 países, tendo como objetivo a sensibilização dos cidadãos para a importância da proteção do património.

Anúncios

Candidato Paulo Freitas exige Canil para Sines

21200519_1632290253488556_41219628885526507_o-1

Paulo Freitas, Candidato à Câmara Municipal de Sines pelos Unidos Pelos Sineenses ( CDS-PP/MPT/PPM), exige no seu Programa Eleitoral a construção de um Canil/Gatil para o Concelho de Sines. O candidato reivindica ser o que mais medidas possui na defesa dos animais. Se acordo com o comunicado enviado, o local indicado para o Canil/Gatil seria a antiga unidade de suinicultura perto da Ribeira dos Moinhos. O Candidato igualmente deseja outro tipo de campanha de sensibilização e fiscalização para incentivar a esterilização e evitar nascimentos que em boa parte dos casos leva ao abandono, e provodenciar apoio, como por exemplo, no transporte dos animais a uma consulta, devido à dificuldades financeiras e construção de abrigos para protecção durante o inverno.

Nuno Mascarenhas: Sines tem a dívida mais baixa dos últimos 14 anos

thumbnail_Foto_16set.jpg

O Partido Socialista apresentou no passado sábado, dia 16 de setembro, as listas de candidatos aos órgãos autárquicos de Sines num jantar onde compareceram mais de quatro centenas de sinienses, que decorreu no Pavilhão dos Desportos de Sines.

Neste encontro, o Partido Socialista divulgou os nomes que compõem as listas às próximas eleições autárquicas de 01 de outubro, lideradas por Nuno Mascarenhas, candidato à Câmara Municipal de Sines, e ainda o Candidato à Assembleia MunicipalJosé Luís Batalha, o Candidato a Presidente da Junta de Freguesia de Sines, Joaquim Serrão, e o candidato a Presidente da Junta de Freguesia do Porto Covo, Cláudio Rosa, tal como as respetivas equipas.

Nuno Mascarenhas realçou o trabalho desenvolvido pelo Partido Socialista nos últimos quatro anos em Sines e destacou aquelas que foram as prioridades para o concelho: o saneamento financeiro e equilíbrio das finanças públicas e a preparação de um conjunto de projetos estruturantes que já se iniciaram, no valor aproximado de 10 milhões de euros, para aproveitar as verbas provenientes do atual Quadro Comunitário.

O candidato do PS à Câmara Municipal de Sines sublinhou que «atacámos o problema da dívida da autarquia e hoje o município de Sines tem a dívida mais baixa dos últimos 14 anos. Diminuímos substancialmente o prazo médio de pagamentos aos fornecedores locais, condição essencial para o funcionamento regular da autarquia».

O encontro contou ainda com a presença de Pedro Marques, dirigente do secretariado nacional do Partido Socialista e Paulo Trigo e Eurídice Pereira, dirigentes da Federação do PS do Distrito de Setúbal.

FMM Sines recebe maior prémio internacional de sempre

fmm_effe_premio_1_980_2500

O FMM Sines – Festival Músicas do Mundo é um dos seis festivais europeus premiados com o EFFE Award 2017. Entregue pela European Festival Association, em Bruxelas, no dia 18 de setembro, é o maior reconhecimento internacional que o FMM Sines recebe ao longo de 19 edições de existência.

Depois de ter sido um dos 715 festivais de 39 países europeus a receber o selo de qualidade EFFE 2017-2018 e de ter sido considerado um dos 26 Festivais Laureados, a consagração europeia do FMM Sines culmina com a atribuição do EFFE Award, entregue por um júri internacional a “seis dos mais influentes festivais europeus”.

Para o júri, o festival de Sines impressiona por promover “uma diversidade real – não um diversidade cosmética” e por constituir uma “celebração da arte, da vida e do cosmopolitanismo”.

A cerimónia de entrega dos prémios teve as presenças do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, do presidente da Câmara Municipal de Sines, Nuno Mascarenhas, e do diretor artístico do FMM Sines, Carlos Seixas.

Luís Filipe Castro Mendes manifestou-se “muito feliz com uma distinção que representa uma consagração europeia a um festival fantástico em Portugal, que é o FMM Sines, que tem um aspeto cosmopolita, de música do mundo, de música altamente sofisticada, interessante e ao mesmo tempo ligada às raízes populares e tradicionais”.

Nuno Mascarenhas mostrou-se muito satisfeito pelo reconhecimento europeu de um trabalho desenvolvido ao longo de 19 anos. “Trata-se de um prémio que nos enche de orgulho, e que acaba por promover Sines, que para nós também é bastante importante”. O presidente da autarquia agradeceu ainda o apoio e presença do ministro da Cultura e também o apoio da Comissão Europeia e do Parlamento Europeu ao projeto EFFE.

Carlos Seixas lembrou que, em duas décadas, cerca de de 3000 músicos, oriundos de mais de 120 países e regiões, tocaram para mais de 1 milhão de espetadores, numa pequena cidade na costa alentejana. “A visão do FMM Sines não mudou desde o início da sua viagem. Um festival de serviço público, guiado pelos valores artísticos. Um festival para promover a exposição às diferentes expressões musicais e culturais, combater o medo e aceitar a diferença”.

A par do FMM Sines, foram também premiados os festivais Altofest International Contemporary Live Arts Festival (Itália), European Film Festival Palic (Sérvia), Gdansk Shakespeare Festival (Polónia) e Utrecht Early Music Festival (Holanda). O Edinburgh International Festival, na Escócia, um dos maiores festivais do mundo, recebeu um prémio especial do júri.

A plataforma EFFE – Europe for Festivals, Festivals for Europe é uma iniciativa da European Festival Association, com o apoio da Comissão Europeia e do Parlamento Europeu.

Mostra de Artes de Rua arranca quinta-feira

mar_1_980_2500

Arte circense, dança, teatro de rua, performances e escultura em areia são algumas expressões artísticas que vão passar por Sines durante uma Mostra de Artes de Rua, entre quinta-feira e sábado.

A avenida Vasco da Gama, junto à baía de Sines, a zona exterior junto à antiga estação de comboios da cidade, o centro histórico e o jardim das Descobertas são alguns dos locais que se vão converter em palco de artes de rua durante os três dias da edição ‘0.1’ da Mostra de Artes de Rua (MAR)

O objetivo da iniciativa, que foi promovida pela primeira vez no ano passado, é levar “as pessoas para a rua”, criar uma “maior vivência da cidade, dos espaços e do território” e contribuir para “um novo olhar sobre a cidade”, disse à agência Lusa Julieta Aurora Santos, diretora artística do Teatro do Mar, que promove o evento.

“Tentamos fazer uma programação pautada pela qualidade, obviamente, mas abrangente, e para toda a família. No fundo, o que nós queremos, é que as pessoas saiam à rua e que possam estar juntas na rua, porque as artes de rua, se alguma coisa promovem, é o encontro e a partilha e é isso que pretendemos estimular”, destacou a mesma responsável.

Com cerca de 15 espetáculos programados, de Portugal, Espanha, Inglaterra e de França, a MAR pretende dar destaque a “artistas portugueses” e também “estimular a criação para a rua e para o espaço público”.

O evento começa na quinta-feira, a partir das 10h00, no Jardim das Descobertas, com o início da construção de uma “escultura efémera”, em areia, por Pedro Mira, obra que vai ficar patente até ao final da mostra.

A abertura oficial da MAR acontece à noite, às 21h30, na Esplanada Alentejana, que vai receber uma sessão de “cineconcerto”, ou seja, um filme musicado ao vivo por Charlie Mancini, músico e compositor residente em Sines, que escolheu ‘Seven Chances’, de Buster Keaton, para passar no grande écran ao ar livre.

Uma estátua viva na Praça Tomás Ribeiro e no Chafariz do Castelo, com Helena Reis e Samuel Buton, um espetáculo de dança e piano em frente à Marina de Sines, por Clara Marchana, Ana Novo e Raul Pinto, circo e dança na avenida Vasco da Gama, com a companhia inglesa Acrojou, são algumas das performances que vão acontecer nas ruas da cidade até sábado.

Por Sines vão ainda passar os espetáculos ‘Le Rêve D’Érica’, pela companhia Bivouac (França), ‘Carriló’, pela CIA La Tal (Espanha) e os portugueses ‘Gentlemad’ (Mica Paprika), ‘Sómente’ (Teatro Só), ‘I Am (K)not’ (Ana Jordão), ‘Baixos e Altos’ (Pole Dance e Acordeão pelo FIAR) e ‘(Deus é Máquina) ´Pássaros de Sal’ (Teatro do Mar, Artelier e Duo Dream).

A MAR leva ainda para a rua a Banda Filarmónica da Sociedade Musical União Recreio e Sport Sineense, que vai desfilar pelas artérias centrais da cidade do litoral alentejano no sábado, a partir das 10h00.

Também no sábado, há atividades e animação para crianças e famílias no Jardim das Descobertas, com pinturas faciais, penteados criativos, jogos tradicionais, uma aula aberta de trapézio, artes plásticas, marionetas, histórias e, entre outras iniciativas, música.

A mostra, promovida pelo Teatro do Mar com o apoio da Câmara Municipal de Sines e da Direção Geral das Artes, encerra com música da Fanfarra pelas ruas, num percurso que termina no largo Poeta Bocage, onde a música continua pela noite dentro com os dj Xoices e XPTO.

CINECONCERTO @ M.A.R. 2017

charlie_mancini_1_980_2500.jpg

Abertura oficial da M.A.R. e filme musicado ao vivo por Charlie Mancini (Portugal)

21h30 | Esplanada Alentejana | Dur. 56m (filme)

Abertura oficial da M.A.R., com a presença do presidente da Câmara Municipal de Sines, Nuno Mascarenhas, e da directora da M.A.R., Julieta Aurora Santos. Apresentação do programa da edição 0.1 (2017).

Depois de trinta e uma sessões no ano passado, em território nacional e internacional, CHARLIE MANCINI, músico e compositor, residente em Sines, apresenta o seu cineconcerto ao ar livre. “Seven Chances”, de Buster Keaton, é o filme escolhido para a sessão de abertura da M.A.R., a acontecer na Esplanada Alentejana, espaço icónico de Sines, onde durante décadas se assistiu a cinema ao ar livre.

Banda Sonora de Mar de Sines em Festival

fimucite_mar_sines_1_980_2500.jpg

O Festival Internacional de Música para Cinema de Tenerife – Fimucite seleccionou o documentário Mar de Sines como um dos cinco finalistas para melhor banda sonora original na categoria de documentário.

Sendo o único representante português, Mar de Sines mostra como é possível a tradição, o património e a modernidade serem combinados numa composição musical orquestrada por gente real, com quem nos podemos cruzar todos os dias.

A banda sonora original foi composta por Charlie Mancini, com a participação de músicos com fortes ligações a Sines, como Miguel Pirret (Guitarra portuguesa), Bruna Domingos (Contrabaixo), Rita Ramos (Violoncelo), Caio Oshiro (Violino e Viola de Arco), Pedro Pereira (Piano), Ana Dias (Flauta Transversal), João Veiga (Harmónica e Guitarra Acústica), Pedro Sequeira, Eduardo Cardoso e João Matos (Percussão tradicional), Simone Ribeiro (Voz Soprano) e Coral Atlântico (Coro).

Da banda sonora original fazem parte temas como “Zinga”, “Ilha”, “Jangada” “Vidas”, “Cerco”, “Lota” “Tempos” e “Mar de Sines”.

Gravada em Sines, no Estúdio Fuga, a banda sonora original permitiu o cruzamento de instrumentos tradicionais, clássicos, vozes, objectos do quotidiano e instrumentos a simular os sons da natureza, tornando-se uma experiencia de trabalho colectivo e multidisciplinar, criada com o intuito de funcionar como fio condutor do documentário.

A gravação teve o apoio de associações locais como o Coral Atlântico, Escolas das Artes do Litoral Alentejano, Sociedade Musical União Recreio e Sport Sineense, Bombeiros Voluntários de Sines, Teatro do Mar, Centro de Artes de Sines e Cinema Girassol.

A banda sonora original de Mar de Sines concorre com projectos como “El hombre que embotelló el sol”, uma produção da televisão pública espanhola, ou “the last ice hunters”, um projecto esloveno com a participação de vários outros países para registar esta última geração de caçadores, numa das zonas mais inóspitas da terra.

Do júri do festival fazem parte nomes como Trevor Jones, compositor da banda sonora original dos filmes “O último dos Moiacanos e “A Liga dos Cavalheiros Extraordinários”, Eimear Noone, compositora da banda sonora original do jogo “World of Warcraft”, ou Daniel Pemberton, compositor da banda sonora original dos filmes “Steve Jobs” e “Rei Artur”.

No âmbito do Fimucite, o documentário Mar de Sines será exibido no “Tenerife Espacio de Las Artes”, em Espanha, no dia 26 de setembro, sendo os vencedores conhecidos a 30 de setembro.

Realizado por Diogo Vilhena e com produção de António Campos, Mar de Sines é um documentário criado pela Câmara Municipal de Sines para valorizar o património piscatório local e permitir que cada vez mais pessoas sejam chamadas a apreciá-lo, a experimentá-lo, a protegê-lo e a vivê-lo a nível económico, desportivo, cultural, gastronómico, profissional e científico.

Esta é décima distinção internacional para o documentário Mar de Sines, depois de ter vencido o prémio “Melhor Filme Etnográfico”, no Festival Internacional do Filme Etnográfico do Recife, Brasil, e ter sido sido selecionado para os festivais EKOFILM e Euro Film Fest, na República Checa, Festival Zero Plus, na Federação Russa, UK Screen One, no Reino Unido, DokART, na Alemanha, CineAntrope, na China, Heritage in Motion, na Holanda, e Festival do Filme Etnográfico do Pará, no Brasil.