Biblioteca festeja aniversário e relembra Saramago.

A Biblioteca Municipal de Sines assinala o seu 17.º aniversário e o centenário do escritor José Saramago com um programa de iniciativas no dia 20 de agosto, sábado. As actividades têm início às 18h00, no átrio do equipamento, com uma sessão de contos pela narradora oral Bru Junça. Às 18h30, sopram-se as velas dos 17 anos da Biblioteca Municipal, que ocupa a suas actuais instalações no Centro de Artes de Sines desde 2005, tendo sido obra do anterior executivo liderado por Manuel Coelho. O programa termina às 21h30, no auditório, com “Retrato do Poeta”, um recital dedicado a Saramago por Marco Oliveira. O recital tem entrada gratuita, mediante levantamento de bilhete até 30 minutos antes do espectáculo.

Fusion Fuel recebe 10 milhões do PRR para produzir hidrogénio verde em Sines

Segundo avança o ECO, a portuguesa Fusion Fuel, cotada no índice tecnológico norte-americano Nasdaq, assegurou um financiamento de 10 milhões de euros, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), para avançar com o projecto de produção de hidrogénio verde, em Sines. De acordo com o comunicado divulgado esta quinta-feira pela energética sediada no Sabugo, o projecto Hevo-Indústria, uma unidade de produção de hidrogénio verde com 6,6 megawatts de capacidade, cujo investimento total ascende os 25 milhões de euros, consiste em 300 eletrolisadores Hevo-Solar (tecnologia desenvolvida pela própria Fusion Fuel). A estimativa é que produza até 764 toneladas de hidrogénio verde por ano a serem usadas no sector da mobilidade, na indústria em Sines ou integrados na rede de gás natural, informa a nota. Pedro Caçorino Dias, responsável Comercial para Portugal, considera, em comunicado, que a aprovação “fortalece ainda mais a parceria e compromisso com o crescente ecossistema de hidrogénio do país”, sublinhando que programas de financiamento, como o PRR, são “fundamentais para acelerar o desenvolvimento da economia do hidrogénio aqui em Portugal e tornar o país num líder na transição energética a nível global”.

Este projecto vem somar-se ao investimento da empresa realizado em Évora. De acordo com o Expresso, a Fusion Fuel tem um outro projecto em desenvolvimento, para produzir hidrogénio verde para uso industrial com a instalação de 55 unidades Hevo Solar que permitirão produzir anualmente 60 toneladas de hidrogénio verde.

Porto de Sines sobe três lugares no TOP 100.

O Porto de Sines registou uma subida de três lugares no Top 100 Mundial, ocupando a 95ª posição do “World TopContainer Ports 2022” da revista especializada “Container Management”. De salientar ainda a referência a Sines como um dos portos Europeus a alcançar um crescimento de dois dígitos. O Terminal de Contentores do Porto de Sines encerrou o ano de 2021 com a melhor marca de sempre,ultrapassando 1.8 milhões de TEU, o que corresponde a um crescimento homólogo de 13%, permitindo subir três posições no ranking internacional. As obras de expansão que visam duplicar a capacidade de movimentação do terminal de Contentores (Terminal XXI) para 4.1 milhões de TEU decorrem a bom ritmo, com a primeira etapa, que inclui 204 metros adicionais de comprimento de cais, a ter sido concluída em junho. Uma vez que o terminal tem agora capacidade de movimentação de três Megacarriers em simultâneo, espera-se que haja um aumento da movimentação anual. Concluídas as obras, que resultam de um investimento privado de 660,9 milhões de Euros por parte da PSA Sines,concessionária do Terminal, será possível a operação simultânea de quatro Megacarriers.

Enquanto se prevê que as operações ferroviárias aumentem, a PSA e a APS têm vindo a promover a construção e melhoria dos acessos ferroviários ao terminal. O Governo está em simultâneo a trabalhar no sentido de reforçar a ligação ferroviária entre Sines e a fronteira espanhola, o que permitirá que o porto sirva de forma mais eficiente os importadores e exportadores Ibéricos. Um dos principais objectivos do Plano Estratégico do porto para os próximos dez anos é o de conquistar 8% do mercado ibérico, duplicando assim a sua quota de tráfego de e para o hinterland.

Especialista considera inviável dar gás à Europa a partir de Sines

O gasoduto entre Portugal e Espanha não é solução para o transporte de gás para a Europa. Quem o diz é Sampaio Nunes, especialista em Energia, antigo Diretor da Comissão Europeia para Energias Convencionais.

O especialista afirmou que “não faz sentido pensar que vai gás de Sines para o centro da europa, porque isso não faz sentido do ponto de vista físico ou económico. E porquê? Porque é muito mais económico que os navios que carregam esse gás, que se chamam metaneiros, vão descarregar a Barcelona ou a Bilbao, muito mais próximos de França, do que no porto mais longe que é Sines.”

Adianta que o projecto pode ser para o futuro para transporte de Hidrogénio verde.

Mostra de Artes de Rua regressa às ruas de Sines em setembro

A 4.ª edição da Mostra de Artes de Rua (M.A.R.) regressa, entre 22 e 24 de setembro, às ruas e espaços públicos de Sines com uma programação que cruza teatro, dança, circo, música e performance.

Organizado pela companhia Teatro do Mar, o evento, interrompido durante dois anos devido à pandemia, vai transformar “as ruas e os espaços históricos e naturais de Sines” num palco para “cerca de 100 artistas”, oriundos de Portugal, mas também da Bélgica, Espanha, Reino Unido e Suíça. Em comunicado, a organização revelou que o público, ao longo dos três dias, poderá assistir a um total de 23 projectos artísticos, em áreas como teatro, circo, dança, música, performance, instalação, workshops e projetos interativos, contemplando ainda o certame um espaço para crianças e famílias. A mostra, cuja programação completa será divulgada no início de setembro, aposta numa oferta cultural “de cariz contemporâneo, que tem como fim estimular um novo olhar sobre a cidade e as populações que a habitam”, frisou a entidade promotora. Para já, foram divulgados alguns dos espectáculos que integram a edição deste ano, como a peça de teatro “P-Acto Idiota”, da companhia Hermanas Picohueso (Espanha), no dia 22 de setembro. No dia seguinte, são representados os espectáculos “A Voz Humana”, do Teatro do Elétrico e “Palaphita”, de Pia CRL, ambos de Portugal, revelaram os organizadores. No dia de encerramento da Mostra de Artes de Rua, a 24 de setembro, os destaques vão para a música de Surma e Farra Fanfarra, assim como para a actuação da companhia de circo-dança Gandini Juggling (Reino Unido), com o espectáculo “Smashed”, adiantaram. A M.A.R., de acordo com a organização, assenta “na crença de que a arte pensada para o espaço público cumpre um lugar fundamental na democratização ao seu acesso, pública, sustentável e acessível, um direito e uma afirmação de liberdade”. A iniciativa, apoiada pela Direcção-Geral das Artes/Ministério da Cultura, está integrada no projecto Programação Cultural em Rede — Alentejo Litoral, que tem como beneficiário líder a Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral (CIMAL).

“Malcriado” é o novo filme de Vicente Alves do Ó.

A história passa-se no ano de 1982, numa cidade inventada, que pode ser qualquer cidade portuguesa, sobre um menino de dez anos, chamado Vasco, fruto de uma relação extraconjugal, que vive com a mãe, solteira e cabeleireira, sonha com a série “Espaço 1999”, dorme num sofá-cama, não conhece pessoalmente o pai mas tem imensa curiosidade, contou o cineasta à agência Lusa. Foge de casa para brincar na rua, rouba a carteira da mãe para lhe oferecer flores, adora a avó, tem medo dos cavalos, mas, acima de tudo, tenta sobreviver a um quotidiano sem regras, sem futuro, sem princípios e, por vezes, sem razão.

Durante um ano, assiste-se ao desenvolvimento do rapaz, o seu crescimento e enamoramento pelas coisas das artes e em especial do cinema e da literatura. “É a história de uma infância que descobre a arte, a magia, a fantasia da criação, e mistura isso tudo com a vida real que ele tem, que é uma vida um bocadinho difícil, tendo em conta que não tem pai, não vive com o pai, e tem uma mãe um bocadinho ‘sui generis’ e ‘fora da caixa’”, revelou Vicente Alves do Ó, que é também o argumentista. Ao longo do filme, o grande sonho de Vasco, que acaba por concretizar no fim, é conseguir passar um dia com o pai, um homem que não conhece e quer conhecer, que vive na terra, que toda a gente conhece e com quem ele não tem ligação nenhuma. Mas para o realizador, que já fez vários ‘biopics’, o último dos quais sobre o pintor “Amadeo”, e que se estreia no final do ano nos cinemas, o mais fascinante é o momento em que as pessoas conhecem a sua vocação de vida, depois de passarem uma infância a sonhar ser muitas coisas.

Esse é um tema que trabalha neste filme, através da criança que, para fugir à realidade, vai-se dedicando “a estas coisas da arte e da fantasia, que de alguma forma o alimentam e fazem sobreviver a uma história com a qual não sabe lidar”.

“É a minha história” – confessa -, “é a minha infância, ou seja o filme passa-se em 1982, eu tinha dez anos, eu peguei na minha história real e transformei-a neste filme, pode-se dizer que é baseada em personagens reais e factos verídicos. Usei o material que tenho, o material que conheço, e depois de ter feito os ‘biopics’ apetecia-me imenso fazer uma coisa que me dissesse muito respeito a mim”.

O realizador acredita que todos têm um filme dentro da sua vida para contar, e decidiu contar a sua em “Malcriado”, mas também pretendeu “espelhar um bocadinho dos anos 1980, falar de uma época analógica que de repente já é uma recordação, a forma como este miúdo vive, anda de bicicleta na rua, passa o dia a brincar na rua, ninguém se preocupa, brinca nas obras, anda com os outros miúdos todos, ninguém está preocupado se ele é roubado, se é raptado, o que é que acontece, se tem uma ferida, se se aleija ou não, há uma liberdade aqui que nós ainda vivemos, pelo menos as pessoas com mais de 40 anos, viveram nos anos 80, e eu também queria resgatar isso, esse tempo, e trazer esse tempo para o cinema”.

É deste modo que “Vasco, que no fundo é o Vicente, conta um bocadinho dessa infância, desses sonhos, dessa fantasia de ser cineasta e de ser escritor e de ser santo e de ter um cavalo, e que volta e meia queria ser uma coisa diferente”.

“O filme passa por esse imaginário e tenta demonstrar como é que às vezes se formam estas pessoas, em que me incluo, que são pessoas um bocadinho inquietas e que nunca perdem o desejo de inventar, de mentir, e aqui é a mentira do cinema, de ter sempre esta vontade de querer acrescentar alguma coisa ao mundo real. É o que temos para dar ao mundo e os filmes é o que eu tenho para dar ao mundo, e a minha própria historia também é aquilo que eu tenho para dar ao mundo”.

“Malcriado” vai ser filmado na zona do Montijo, na zona de Sintra e na zona de Alvalade-Sado, no Alentejo, perto do Cercal do Alentejo.

A cidade imaginária passa-se entre Montijo e Alcochete e depois há um período no verão em que Vasco viaja para o Alentejo para passar férias com os avós, tal como Vicente Alves do Ó passava as férias escolares em casa da avó – “uma típica mulher alentejana vestida de preto, muito mal disposta” –, um tempo que ainda guarda “com muito carinho”.

As filmagens vão decorrer durante cinco semanas, e estão previstas terminar em meados de setembro.

“Se tudo correr bem, na primavera de 2023 estamos a estrear”.

A escassez de orçamento é a principal dificuldade com que o cineasta se confronta, sobretudo por se tratar de uma reconstituição histórica, o que envolve sempre um bocado mais de produção e trabalho, para que as coisas tenham um ar profissional e fiquem bem feitas.

“A dificuldade aqui é esconder a modernidade quando estamos a filmar, especialmente nos exteriores”, porque apesar de os anos 1970 e 1980 não serem particularmente difíceis de reconstituir, há sinaléticas, mobiliário urbano, alguma construção, os automóveis, muita coisa que mudou e que é preciso substituir.

Orçamentado em cerca de 700 mil euros, o filme “Malcriado” recebe a maior fatia de apoio do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), no valor de 600 mil euros.Contará ainda com algum apoio financeiro da RTP e outros apoios logísticos, nomeadamente da Câmara Municipal do Montijo e de algumas empresas. O filme, produzido pela Ukbar Filmes, terá Rita Loureiro e Kevim Vicente nos principais papéis.O elenco conta ainda com os atores Ana Bola, Rita Lello, Luciano Gomes, Miguel Damião, Rafael Morais, Raquel Rocha Vieira, Ana Vilela da Costa, Rute Miranda, Valerie Braddell e Inês Sá Frias.

GNR apreende jogos de fortuna à venda em loja em Sines

A GNR de Sines apreendeu jogos de fortuna ou azar, como poker, roleta e bingo, à venda num estabelecimento comercial na cidade. Os dois proprietários, homens de 32 e 34 anos, foram constituídos arguidos. As apreensões decorreram durante uma acção de fiscalização à superfície comercial. Os militares encontraram o material exposto para venda ao público em geral, sem que para tal houvesse autorização da Inspecção-Geral de Jogos. Foram apreendidos sete jogos Professional Poker chips, quatro jogos Texas Hold”em Poker Set, sete jogos Harmon Cartas, oito jogos Dominó Chips Domino Fantastico, uma roleta Fanny Rolette, um jogo Bingo Lotto e seis tombolas Jogo do Bingo CB Games.

A GNR relembra que a dependência no jogo é reconhecida como uma patologia, sendo necessário estar alerta aos sinais que revelem a adição do jogador, pois é comum que aqueles que sofrem desta perturbação ponham em risco o seu trabalho e contraiam dívidas, acabando por inviabilizar a sua interacção com a sociedade e adoptem um comportamento autodestrutivo. É por este motivo, fundamental, uma fiscalização contínua e presente neste âmbito, de forma a sinalizar as pessoas com esta dependência, e reprimir quem utiliza e explora, de forma descontrolada e dissimulada, este tipo de equipamentos ou promove jogos de fortuna ou azar.

Foto: Dr/gnr

De Sines para o resto da Europa. Olaf Scholz defende gasoduto em Portugal.

O chanceler da Alemanha defende a construção de um gasoduto em Portugal, que servirá para garantir o abastecimento dos países europeus mais dependentes da Rússia em termos energéticos. Olaf Scholz considera que esta infraestrutura seria capaz de ajudar a atenuar a dependência energética em relação à Rússia. Numa conferência de imprensa em Berlim, o chanceler germânico adiantou que tem estado em contacto com os chefes de Governo de Portugal, Espanha e França, assim como com a Comissão Europeia, para viabilizar este projecto. A construção de um gasoduto já tem sido abordada há algum tempo pelo Governo de António Costa, que pretende que o porto de Sines se torne na porta de entrada de gás natural norte-americano para a Europa central.

Foto: Lisi Niesner – Reuters

GNR autua 46 infratores por caravanismo e campismo ilegal em Sines 

A Operação “Verão Seguro 2022” decorreu entre as praias de Porto Covo e São Torpes, no concelho de Sines, e decorreu entre as cinco e as nove horas da manhã desta terça-feira. Estiveram no terreno militares do Destacamento de Santiago de Cacém, que organizou a operação, do Montijo, e ainda do Destacamento de Controlo Costeiro de Sines da Unidade de Controlo Costeiro (UCC).Os proprietários das autocaravanas parqueadas ilegalmente foram alvos de contraordenações entre os 150 e os 250 euros, enquanto os campistas que realizavam o chamado campismo selvagem foram alvo de contraordenações por violação do regulamento dos parques de campismo. Estes autos serão enviados para o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF).

A GNR alerta que o campismo e caravanismo ilegal ou irregular em área protegida pode conduzir a uma ocupação excessiva e desordenada de espaços públicos, zonas costeiras e áreas classificadas por autocaravanas e similares, com consequências negativas na paisagem, no ambiente, no ordenamento do território e na saúde pública. Os militares vão continuar a sensibilizar os caravanistas e campistas para adotarem um comportamento mais responsável e amigo do ambiente, especialmente nestas áreas protegidas.

Porto de Sines estuda terminal para movimentar gases renováveis.

O Porto de Sines está a estudar a possibilidade de transformar uma “ponte-cais” multiusos num terminal para movimentação de gases renováveis, prevendo um investimento de cerca de 20 milhões de euros.”Vamos fazer alguns investimentos para melhorar as condições de um pequeno cais e prepará-lo para, no futuro, fazer a movimentação de gases renováveis e, eventualmente, bancas para abastecimento a navios”, avançou esta terça-feira à agência Lusa, o Presidente da Administração dos Portos de Sines e do Algarve (APS), José Luís Cacho.

De acordo com o responsável, os investimentos “na melhoria das condições da ponte-cais”, para receber gases renováveis, como Gás Natural Liquefeito (LNG) ou hidrogénio e amónia verdes fazem parte do Plano de Atividades daquela infraestrutura portuária, no âmbito da transição energética.

“Prevemos fazer esses investimentos durante o próximo ano”, indicou José Luís Cacho, acrescentando que, neste momento, estão a ser desenvolvidos os respetivos “projetos e estudos”.

Trata-se de “investimentos que devem andar na ordem dos 15 a 20 milhões de euros”, revelou.

“Estes investimentos deverão ser executados durante o próximo ano para estarem disponíveis e em operação a partir de 2024”, perspetivou.

Considerando que a União Europeia classificou o LNG como um gás renovável e que existe “um conjunto de orientações” que indicam que este é “o gás de transição dos próximos anos”, José Luís Cacho reconheceu que será o primeiro a “entrar em operação” naquele terminal.

“Atualmente, como não há possibilidade de entrada de gases como o hidrogénio, tecnologia suficiente para isso, nem há hidrogénio para tal, naturalmente, começará a movimentar gás natural”, frisou.

No futuro, acrescentou, “estará preparado para receber navios com outros gases renováveis como é o caso do hidrogénio, amónia e metanol”.

O responsável adiantou que a APS está “ainda a equacionar” o modelo de gestão do terminal de gases renováveis, garantindo que “será operado, naturalmente, por empresas privadas” interessadas.

“Podem ser [empresas] japonesas, pode ser a REN, a Galp, todas as empresas que estão em Sines podem utilizar essa infraestrutura”, exemplificou.