Ministro dos Negócios Estrangeiros de Singapura em Sines.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros de Singapura, Vivian Balakrishnan irá marcar presença amanhã no Terminal XXI, no evento da PSA Sines, concessionária do Terminal de Contentores de Sines, devido à inauguração das obras de expansão do Terminal de Contentores do Porto de Sines, 1.ª Etapa da Fase 3. A cerimónia será presidida pelo Ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos.

XXIII Gala da ARDS

As Danças de Salão de Sines existem desde dos finais dos anos 80, tornando-se associação a 28 de junho de 1999. Ao longo da sua existência contribuíram para o desenvolvimento e divulgação desta modalidade no Litoral Alentejano, bem como em todo o País.Os dançarinos da ARDS têm participado em competições nacionais e internacionais, trazendo para Sines diversos pódios nacionais ao longo dos seus anos de existência.Atualmente, além das danças de salão e danças latinas, esta associação tem desenvolvido outras áreas da dança, onde se destaca um trabalho de dança criativa com crianças a partir dos 4 anos de idade até à adolescência. A Associação Recreativa de Dança Sineense encerra mais um ano letivo, com uma gala comemorativa onde apresenta todas as classes de dança, grupos convidados e muitas surpresas.Muita dança, glamour e surpresas, numa noite diferente.

Pavilhão dos Desportos | 21h30 | Org. Associação Recreativa de Dança Sineense

Salty Spot: o novo alojamento slow living de Sines.

Nada bate a sensação de chegarmos ao alojamento que escolhemos para as nossas férias e ficarmos completamente surpreendidos com a forma como somos recebidos, seja em hotéis de cinco estrelas, turismos rurais ou até mesmo num alojamento local na costa alentejana. Este sentimento é partilhado pelo Salty Spot, em Sines, que oferece um conceito de estadia diferente do habitual na região.Mónica Neves tem 39 anos, é psicóloga, mas não gosta “de ser só uma coisa”. É uma mulher que gosta de viajar, de conhecer novas culturas e de acumular experiências de vida.

Quando decidiu, juntamente com o marido Marco Abrantes, investir num alojamento local, sabia que teria de ser algo diferente e que se destacasse da oferta atual.

“Este projeto surgiu da ideia de criarmos aquilo que gostaríamos de encontrar enquanto hóspedes. Foi criado um bocadinho à nossa imagem e ao conforto que gostamos de ter”, contou a responsável pelo Salty Spot. 

A viver em Sines já há 13 anos, o casal sentiu que os alojamentos na região acabavam por ser todos muito semelhantes uns aos outros. Não fugiam ao tradicional, não arriscavam em novas decorações e não traziam nada de novo. “Quando comprámos a casa, foi escolhida a pensar no objetivo que queríamos concretizar. Tentámos associar preocupações ao nível da sustentabilidade, que aqui ainda não é uma grande preocupação”, explica.

A decoração das duas casas independentes foi inspirada nas viagens que Mónica e Marco fizeram juntos. Viciados no continente asiático e em Marrocos, os detalhes do alojamento transportam os hóspedes para a outra ponta do mundo. “Durante três meses estivemos aqui a trabalhar a full-time, foi tudo feito por nós. As camas e os sofás foram feitos através de materiais reutilizados”, evidencia. 

Situado mesmo no centro da cidade de Sines, a cinco minutos a pé da praia, o Salty Spot abriu no dia 10 de junho. Baseado no conceito de slow living, o objetivo é que todos os que passam por lá tenham dias simples e despreocupados, longe da azáfama das grandes cidades. Até porque “a simplicidade é a chave para a verdadeira elegância”.

O alojamento é composto por duas casas independentes completamente equipadas e um enorme lounge cheio de recantos para celebrar o merecido descanso. 

A moradia no rés-de-chão é um T2 com dois quartos, um deles com duas camas individuais e o outro com uma cama de casal, e uma sala de estar com um sofá-cama. O casal deu o nome de “Nest House” a esta casa por “ser a mais pequena e parecer um ninho”.

O grande destaque desta moradia é o jardim no teto da sala e do corredor, feito pelos proprietários, que torna o ambiente ainda mais romântico. O verde do teto combina com as cores neutras da sala e com as plantas que estão espalhadas por toda a parte e que nos recordam que a natureza é realmente incrível.

A “Calma House” fica no segundo andar e tem cinco quartos e uma sala de estar com sofá-cama. Cada uma das casas está equipada com cozinha e casa de banho e podem ser reservadas em separado ou pela mesma família ou grupo de amigos. No total, o Salty Spot pode receber até 15 hóspedes.

Além do teto forrado com um jardim, outro dos grandes destaques é o lounge exterior onde não falta espaço para conviver. Com cadeiras, sofás, chapéus de sol e uma enorme mesa, é o spot perfeito para aproveitar os dias de verão com a família.

O casal decidiu não investir numa piscina por um motivo bastante simples: Portugal enfrenta uma seca severa e o problema escassez de água é grave e, além disso, estão a minutos de distância das incríveis praias do País.

A pensar nos hóspedes, o alojamento tem alguns parceiros locais que vão tornar a estadia ainda mais especial com experiências como provas de vinho, aulas de surf e ioga ou passeios de barco onde será possível pescar no mar. Para um mood mais romântico, também é possível pedir um jantar privado, preparado especialmente por um chef de cozinha. O pequeno-almoço também pode ser entregue em casa de forma personalizada. 

Os preços da “Nest House” começam nos 180€ por noite, enquanto que na “Calma House” são a partir de 285€. As reservas podem ser feitas online ou através do e-mail saltyspot.sines@gmail.com.

Texto: Sara Lopes Foto: Luis Chainho – Original do NiT

Rodoviária passa a assegurar transporte urbano.

A partir da próxima segunda-feira, dia 4 de julho, o transporte urbano da cidade de Sines passa a ser assegurado no âmbito da concessão de transporte público do Alentejo Litoral. O serviço até aqui prestado directamente pela Câmara Municipal através dos seus meios passa a ser prestado pelo vencedor da concessão para toda a sub-região, a Rodoviária do Alentejo. Um dos requisitos desta mudança é que cada utente actual do serviço urbano de Sines peça um novo passe, emitido pela Rodoviária do Alentejo. Este novo passe pode ser pedido no Balcão Único da Câmara Municipal de Sines a partir de hoje. Os passes serão depois emitidos pela Rodoviária do Alentejo e levantados no autocarro, mediante apresentação do comprovativo do pedido, tendo um custo de 5 euros, o qual é liquidado no momento da sua entrega. A alteração do funcionamento do transporte urbano prende-se com a aplicação do novo Regime Jurídico do Transporte Público de Passageiros, que atribui às comunidades intermunicipais e aos municípios a competência de Autoridade de Transportes intermunicipais e municipais, respectivamente. O mesmo regime jurídico prevê que os sistemas de transporte público sejam sujeitos à concorrência, nomeadamente através de concursos de concessão. Neste domínio, o Município de Sines, por delegação de competências, deliberou que o transporte urbano de Sines integrasse a concessão do Alentejo Litoral, potenciando as sinergias entre os transportes municipais e intermunicipais.

Primeiro-ministro reforça importância do porto de Sines

No final da reunião do Conselho Europeu, o primeiro-ministro diz sublinha que Portugal não corre riscos de escassez de energia. António Costa volta a reforça a importância do porto de Sines para a exportação de gás.

No dia em que os líderes da UE discutiram questões sobre a actual crise energética agora acentuada pela guerra da Ucrânia, António Costa apontou que “os riscos são globais” relativos ao fornecimento do gás à Europa, embora destacando a baixa de dependência de Portugal.

“Portugal é um país que não depende, como a Alemanha depende, do fornecimento de gás russo e temos uma fortíssima incorporação no nosso consumo de energia das energias renováveis”, que pesam 60% na produção de eletricidade, destacou o primeiro-ministro.

Numa altura que se teme o corte do fornecimento do gás russo à UE, dados os constrangimentos existentes pela guerra da Ucrânia, António Costa garantiu que, em Portugal, “daqui até ao inverno, haverá um reforço da capacidade de produção energética, designadamente com Cascata do Tâmega, que entrará em pleno funcionamento no próximo mês, e também de novos parques solares que vão continuar a reforçar a forte componente de energias renováveis no ‘mix’ energético” do país

Omexon e RWE unem-se para construir central solar de 49MW em Sines

Segundo avança o Negócios, a Omexom, marca da VINCI Energies, que opera na área de produção, de transporte e distribuição de energia, assinou um contrato de engenharia, gestão de compras e construção com a empresa RWE para a construção de uma central fotovoltaica com capacidade de 49 MWp. A central solar está localizada em Morgavel, na região de Sines, numa área de cerca de 100 hectares. A construção já foi iniciada e a ligação à rede está prevista para 2023. “Em conjunto com a Omexom vamos instalar mais de 91.000 módulos [painéis solares] bifaciais que produzirão electricidade verde suficiente para abastecer o equivalente a 42.000 lares portugueses. Uma vez concluído, em 2023, estes projectos reforçarão ainda mais a nossa pegada de energias renováveis na Península Ibérica e darão um contributo substancial para atingir as metas climáticas locais”, disse Robert Navarro, Presidente e Director Geral da RWE Renewables Iberia, em comunicado.

O responsável explicou ainda que foi escolhida a região de Sines pela exposição solar (cerca de 3.000 horas de sol por ano) e também porque é onde vai nascer um dos dois vales do Hidrogénio Verde projectados para Portugal. 

A RWE, proprietária e operadora do parque fotovoltaico de Morgavel, opera no sector das energias renováveis e tem parques fotovoltaicos em todo o mundo – incluindo o de Limondale, na Austrália, um dos maiores daqueles país. A empresa quer expandir a sua capacidade de geração verde para 50GW até 2030 e para isso está a 50 mil milhões até ao final da década. O seu portfólio é composto por energia eólica offshore e onshore, solar, hidrogénio, baterias, biomassa e gás nos mercados da Europa, América do Norte e região da Ásia-Pacífico. 

Gonçalo Sampaio, Managing Director da Omexom Portugal, afirmou no mesmo comunicado: “Vamos executar este importante projecto em Portugal, com um player de referência mundial no mercado de Energias Renováveis como a RWE, numa região que oferece as condições perfeitas para produzir energia solar”.

A Omexom é a marca da VINCI Energies especializada em produção, transporte e distribuição de energia. Está presente em 37 países, com 435 unidades de negócios e 23.500 colaboradores. Concentra-se na construção de fontes de energia de baixo carbono e no desenvolvimento das respetivas redes. 

Gasoduto do hidrogénio verde até 2025 em Sines

Consórcio H2 Green Valley, liderado pela REN, vai investir 28,5 milhões de euros.

O consórcio H2 Green Valley, liderado pela REN, vai investir 28,5 milhões de euros para construir em Sines, até 2025, os primeiros 10 quilómetros de um novo gasoduto 100% preparado para transportar hidrogénio verde, apurou o Negócios.

O projecto é um dos 51 eleitos que passou à fase final das agendas mobilizadoras e vai negociar agora os montantes de apoio do Plano de Recuperação e Resiliência.

Repsol recruta jovens Engenheiros para projecto de expansão do Complexo de Sines

A Repsol anunciou, hoje, dia 22 de Junho, a abertura de mais 12 vagas no Complexo Industrial de Sines, para jovens Engenheiros recém-licenciados, ou com até cinco anos de experiência, nas áreas de Química, Mecânica, Electrotécnica, Instrumentação, Automatização e controle e Termodinâmica.As candidaturas abriram esta quarta-feira, dia 22 de Junho, e prolongam-se até ao dia 15 de Julho.As novas vagas anunciadas hoje inserem-se no plano sustentável de criação de emprego definidos pela multienergética e juntar-se-ão ao processo de recrutamento actualmente em marcha, que deriva do projecto de expansão que contempla a construção de duas novas fábricas, e do plano de renovação geracional.

Durante o segundo semestre deste ano, a empresa pretende integrar mais 80 profissionais, entre os quais os 40 Operadores que frequentarão o curso de OPUI – Operação para Unidades Industriais, leccionado pela Repsol em parceria com o IEFP – Instituto de Emprego e Formação Profissional, anunciado em Abril deste ano, e os 12 jovens Engenheiros.

Este anúncio corrobora a confiança da multinacional no ensino português, principalmente nas áreas das engenharias. “Sabemos da qualidade do ensino português, do potencial dos jovens que frequentam os cursos de Engenharias, e acreditamos que eles poderão, na Repsol, ter uma oportunidade profissional desafiante, ajudando a materializar o maior investimento industrial dos últimos 10 anos em Portugal.”, afirma Albino Gomes, director de pessoas e organização da Repsol Polímeros.

Para o Albino Gomes, esta é “uma oportunidade de fazer parte de um projecto de futuro, de desenvolver a carreia profissional, trabalhar com as tecnologias mais vanguardistas da Península Ibérica e ser parte integrante da transição energética de um sector que é preponderante para o bem-estar das pessoas”.

Repsol nomeia novo Director-Geral para Complexo Industrial de Sines

Segundo avança o Jornal ECO, Salvador Ruiz López, licenciado em Engenharia Química pela Universidade Autónoma de Barcelona, está há mais de 24 anos ligado ao grupo Repsol. Salvador Ruiz López assume, a partir de setembro, o cargo de Director-Geral do Complexo Industrial de Sines, substituindo Arsenio Salvador Vega, que exercia esta função desde julho de 2018 e que transita para a Direcção-Geral do Complexo Industrial de Puertollano da companhia. A nomeação de Salvador Ruiz, actual director de Logística e Serviço ao Cliente na área Química da Repsol, em Madrid, “responde a uma série de mudanças organizacionais na equipa de Direção da companhia, em linha com o Plano Estratégico 2021-2025″, refere a Repsol em comunicado.

A partir de setembro, Salvador Ruiz López irá liderar o processo de expansão do complexo de Sines. Anunciado o ano passado, o projecto passa pela construção de duas fábricas de materiais poliméricos de alto valor acrescentado. “O investimento de 657 milhões de euros permitirá expandir a sua gama de produtos diferenciados e tornar o Complexo de Sines um dos mais avançados da Europa, devido à sua flexibilidade, elevado grau de integração e competitividade”, refere a empresa.

Colt está a reforçar investimento e próxima ligação pode ser Sines.

Nos últimos 20 anos a Colt já investiu mais de 100 milhões de euros em Portugal, entre infraestrutura e recursos humanos, mas quer reforçar o investimento, em especial pela aposta na densificação da malha de rede de comunicações. Sines está na lista para ser uma possibilidade nas próximas ligações.

Em Portugal a Colt tem 3 centros de competência, 2 redes de área Metropolitana (MAN) em Lisboa e Porto, 830 km de rede de fibra ótica, 1.700km adicionais de rede de longa distância através da sua IQ Network. No total liga mais de 777 edifícios e 12 centros de dados, e está a dar seguimento à sua estratégia de crescimento,  ligando 8 parques industriais em Lisboa, Porto, Oeiras, Sintra, Vila Nova de Gaia e Maia.

O último dos centros de competências foi criado em 2020 e está focado no desenvolvimento de tecnologias de rede SDN.

Depois da instalação do EllaLink, e do Equiano, da Google está prevista a chegada de mais dois cabos submarinos a Portugal nos próximos três anos, o Medusa, da AFR-IX que acaba de assinar um acordo com a Altice Portugal, e o 2África, do Facebook.

Carlos Jesus afirmou que “Temos uma malha de rede que já liga os principais pontos em Espanha e em França, como Bilbao e Marselha”, confirmando que há mais ligações que estão a ser estudadas, entre as quais se contam Sines, que vai receber também um cabo submarino e onde está a ser preparada a instalação de um polo tecnológico Sines 4.0, e Bordéus, onde vai ser instalado o AMITIE, um cabo transatlântico de fibra óptica que é visto como uma nova porta de entrada para o tráfego de dados entre os EUA e a Europa. São investimentos que estão a ser ponderados e que, se avançarem, ainda têm um tempo de implementação de 12 a 24 meses. Carlos Jesus mostra confiança na concretização da nova ligação a Bordéus mas admite que a de Sines está ainda em validação. “Acreditamos que tem potencial mas estamos a auscultar os nossos clientes […] temos indicações positivas”, referiu.