Surfistas de Sines organizaram protesto pela “preservação” da praia de São Torpes

imagem_imagem_surf_ok

A associação SOS – Salvem o Surf já pediu à APA para “reprovar” o estudo de impacte ambiental (EIA), com base na existência de “diversas falhas muito graves”

O evento “não é contra o crescimento do porto de Sines”, mas antes “pela preservação das ondas e da areia”, um tema que preocupa a comunidade de utilizadores daquela praia, no litoral alentejano, afirmou hoje à agência Lusa um dos responsáveis pela organização, Flávio Jorge.

A terceira e quarta fase do projecto de expansão do terminal de contentores do porto de Sines, no distrito de Setúbal, encontra-se em avaliação de impacte ambiental e a respectiva declaração, que pode ser favorável, condicionalmente favorável ou desfavorável, deverá ser emitida, pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) ou pelo secretário de Estado do Ambiente, até dia 20 deste mês.

Para Flávio Jorge, proprietário de uma das cinco escolas de surf instaladas na praia de São Torpes, o estudo de impacte ambiental realizado, e que esteve em consulta pública em Dezembro, “não é claro” em relação às consequências para o areal.

O responsável considera que aquele local “é um bem único” e receia que a areia “desapareça”, o que “já está a acontecer”, tratando-se de uma situação que “preocupa toda a comunidade”, de banhistas e surfistas, a pescadores e empresários.

A associação SOS – Salvem o Surf já pediu à APA para “reprovar” o estudo de impacte ambiental (EIA), com base na existência de “diversas falhas muito graves”.

Em comunicado enviado à Lusa, a organização de cariz ambiental aponta, entre outros problemas, a inexistência de “alternativas para a expansão” do Terminal XXI “que não incluam a extensão do molhe Leste”.

O EIA também “não mede correctamente o valor do surf na economia, no turismo e no emprego”, além de assumir que o terminal gerido pela PSA Sines “irá trabalhar em pleno e criar o emprego máximo possível”, apesar dos “diversos cenários de insucesso” equacionados, refere a associação.

De acordo com o resumo não técnico do EIA, a que a Lusa teve acesso, na terceira fase de expansão, o Terminal XXI fica com capacidade para movimentar anualmente 2,3 milhões de TEU (unidade equivalente a um contentor de 20 pés) e, na quarta fase, aumenta para três milhões de TEU.

A ampliação do cais implica ainda a extensão do terrapleno e do respectivo molhe de protecção.

O estudo considera que as obras terão “impactes positivos” nas “condições de uso balnear na praia”, devido à “redução da altura da ondulação”, e potenciais “impactes negativos para a prática do surf na zona próxima dos molhes da central termoeléctrica”, ambos considerados “pouco significativos”.

O documento sugere que seja previsto “um mecanismo compensatório para as três escolas de surf instaladas na praia”.

Notícias de Sines com Lusa e Ionline

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s