Artigo de Opinião: Panorama Político

222

O actual panorama político, mergulhado numa instabilidade com um final imprevisível, penaliza acima de tudo, Portugal e os Portugueses, independentemente das escolhas que fizeram no passado dia 4 de Outubro. Passos e Portas, os mais que “improvaveis” vencedores das Eleições, ( que já se sabia que dificilmente iria proporcionar uma maioria absoluta), conseguiram ganhar as Eleições, depois de 4 anos duros, injustos e complicados, em que os verdadeiros Portugueses foram os heróis, depois da mudança no panorama nacional. O maior partido da oposição, que perdeu um líder que vinha de duas vitórias consecutivas, e que perdeu uma oportunidade de ouro em 2013, quando o Presidente da República estendeu a mão para uma outra solução, foi substituido por um outro líder, que diziam na altura, tinha tudo para ganhar as eleições. Não só as perdeu, como se prepara para tentar assumir o poder fazendo arranjinhos que em nada beneficiam a democracia. Sim, é verdade que existe uma Maioria de esquerda. Sim, é verdade que a Constituição o permite. Nem discordo disso. Mas o famigerado acordo das esquerdas, nada mais é do que uma tomada de posição do PS, PCP, BE e PEV. Não é um acordo sólido. E é isso que o Sr.Presidente da República deve exigir. Que seja um verdadeiro acordo. Que o PCP/BE/PEV não fujam a participarem no Governo, pois está na altura de assumirem as responsabilidades políticas. Em 2011, mandaram o Governo PS abaixo. Em 2015, mandaram o novo Governo PSD/CDS abaixo. Se há acordo, então deixem-se de demagogias e assumam de uma vez por todas, as consequências políticas. Não existe nenhum ressabiamento na Direita em relação ao actual cenário. Existe sim, é uma sensação de que tudo nunca irá voltar a ser como antes. Que será sempre preciso para a Direita uma Maioria Absoluta para poder governar. Por isso as regras do jogo mudaram. Se deveria existir eleições para clarificar esta situação ? Sim. Mas não é possível para já. O que espero é que tanto a bancada do PSD como a do CDS, estejam à altura dos acontecimentos e proporcionem um sentido de responsabilidade e patriotismo. Porque acredito que o tempo irá dar razão à Coligação Portugal à Frente. E esperemos que quando for novamente altura de “Portugal à Frente” assumir novamente Governo, que não encontre um “Portugal para trás”. O tempo o dirá.

Autor: Paulo Freitas – Candidato pela Coligação Portugal à Frente e membro da Direcção da Concelhia do CDS-PP Sines.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s