Negócio em Sines pode custar 900m € à CGD

290711_083802_artenius-pta-sines-2-2

Fez 10 anos que a Caixa Geral de Depósitos ( CGD ), recebeu indicações políticas por parte do Governo PS para ajudar no financiamento e  investimento do grupo espanhol La Seda, que já se debatia na altura com dificuldades. De acordo com o Jornal “Público”, o dossier deste processo encontra-se nas mãos do novo Presidente da CGD, António Domingues e pode custar ao banco público a exorbitante quantia de 900 milhões de euros. A participação da CGD na espanhola La Seda foi uma indicação política do então primeiro ministro José Sócrates e do seu Ministro da Economia da altura Manuel Pinho, com a argumentação de que as empresas portuguesas deveriam possuir um perfil mais “ibérico”. Quem se encontrava na gestão da CGD? Armando Vara ( Que chegou a ser secretário de estado e até ministro adjunto em governos PS ), e Carlos Santos Ferreira que deram o seu aval financeiro ao plano político. Os 900 milhões quantificados estão relacionados com créditos da CGD à La Seda (produtora de poliéster termoplástico), na Artland (empresa portuguesa, fornecedora da La Seda) e na Selenis (também portuguesa, accionista da La Seda), que segundo se pode apurar são empresas que se encontram insolventes. Em relação aos montantes, foram aplicados 121,3 milhões na La Seda, com financiamentos de 75 milhões, na Artenius, agora Artland aplicou 225 milhões e reclama créditos de 520 milhões, e à Selenis emprestou 165 milhões de euros.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s