O papel de Sines no abastecimento energético do país

SINES_ar_0009

Na Zona Industrial e Logística de Sines (ZILS) encontra-se a central termoelétrica de Sines de onde provêm cerca de 16% da produção de energia térmica nacional. Tem também a refinaria da Galp Energia que é uma das maiores da Europa, com uma capacidade de destilação de 10,9 milhões de toneladas por ano, ou seja, 220 mil barris por dia.

Estas infraestruturas têm efeitos polarizadores e de atração de um conjunto alargado de empresas e de serviços, não obstante o passivo ambiental por causa da emissão de dióxido de enxofre (SO2) e da libertação de óxido de azoto (NOx).

O Terminal de GNL de Sines é, pelas suas características de porto de águas profundas, pela sua capacidade de armazenagem e localização estratégica, um dos terminais mais competitivos da Europa e uma referência a nível mundial.

O terminal de Sines tem condições de exceção para receber navios de grande calado e capacidade e, por isso, com menores custos por unidade transportada. Adicionalmente, a disponibilidade anual da barra de Sines que é impar quando comparada com outros portos europeus que estão mais sujeitos aos condicionalismos das marés. Sendo um porto de águas profundas e, pela sua posição estratégica nas rotas de e para a Europa, Sines pode receber grandes navios e servir de entreposto de redistribuição de GNL para navios mais pequenos que sirvam locais de acesso mais difícil em particular para as novas soluções de abastecimento de pequena escala (small scale LNG).

Esta região NUTS III, Alentejo Litoral, possui boas capacidades para a produção de energias renováveis, pela combinação de elementos do clima (radiação solar, vento, precipitação e temperatura). Têm tido um impulso bastante significativo através do aumento da potência eólica instalada, do aproveitamento dos recursos hídricos e do desenvolvimento de projetos no domínio da energia solar.

Neste contexto, as energias renováveis possuem domínios de complementaridade e interface com a indústria (energia solar térmica ou biomassa para produção de vapor e redução da energia fóssil, em indústrias da região) e a agricultura (incluindo a irrigação/gestão da água, culturas energéticas e produção de energia elétrica). Estão a multiplicar-se os projetos e o número de ligações à rede, que fazem do Alentejo um novo eldorado das energias fotovoltaicas.

Noticias de Sines com ECO/REN

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s