Francisco Ferreira: “Os gases emitidos em Sines vão afectar outras zonas”

image.jpeg

Em entrevista ao JN, Francisco Ferreira, presidente da “ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável”, considera que é necessário olhar com cuidado para a lista da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre os 15 locais em Portugal que ultrapassam o nível máximo de partículas finas inaláveis. Sines surge no 21° Lugar na lista de cidades com o limite para as partículas mais grossas (PM10), mas não surge na lista de cidades com o nível máximo de partículas finas inaláveis (PM2,5). Questionado sobre o facto de Sines não surgir na lista, Francisco Ferreira afirma que: “A indústria em Sines tem um efeito local, por exemplo, em relação a determinados poluentes, nomeadamente os compostos orgânicos voláteis. Daí o cheiro junto às indústrias de refinação. Mas as partículas finas, o que está aqui em jogo, resultam da transformação de vários gases. E as chaminés em Sines são das mais altas em Portugal. Portanto, o grosso da poluição de Sines é espalhado a partir das chaminés por uma área muito grande. A influência em termos de partículas finas será longe de Sines, para onde o vento arrastar essas partículas, algures para o Alentejo Interior e para o Algarve.” Sobre a influência do vento nas medições afirma ainda que: “Num caso como Sines, com chaminés com mais de 200 metros de altura, os gases emitidos vão afetar outras zonas que não o concelho onde têm origem. Já no tráfego, a dispersão é menor.”

Foto: SARA MATOS/GLOBAL IMAGENS

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s