Quinze idosos de Sines beneficiam de servico de teleassistência.

Quinze idosos do concelho de Sines, vão continuar a beneficiar, de forma gratuita, de um serviço de teleassistência, que pretende responder a situações de emergência, identificar casos de violência doméstica e combater a solidão.

transferir.jpeg

O serviço, lançado em 2016 com o apoio do BPI, teve continuidade graças a um protocolo que a Misericórdia de Sines renovou este ano com a Redes Energéticas Nacionais (REN), com vista ao financiamento da teleassistência, 24 horas por dia, a idosos residentes neste concelho do litoral alentejano.

“Um dos problemas dos idosos prendia-se com o pagamento mensal do serviço que nos obrigou a encontrar beneméritos, até que surgiu a REN que renovou, pelo segundo ano consecutivo, o contrato com a Misericórdia para garantir a continuidade deste serviço”, explicou à agência Lusa o provedor da instituição, Luís Venturinha.

O sistema de segurança, instalado no domicílio dos idosos, permite que, através de um controlo remoto, que pode ser usado no pulso, “os utentes primam um botão e rapidamente são contactados por um ‘call center’”, que funciona 365 dias por ano, com “operadores especialmente treinados para o efeito”, explicou o provedor da Misericórdia.

Ao premir o botão, o utente estabelece “contacto com a central que actua de imediato em caso de emergência”, descreveu Luís Venturinha, destacando ainda o serviço ‘Voz Amiga’ para “os utentes que se sentem sozinhos em casa”.

“Se a pessoa se sente só ou angustiada e precisa de uma voz amiga pode também contactar a central, que pode confortar o utente e isto é um factor muito importante para quem vive sozinho”, reconheceu.

Actualmente, beneficiam deste projecto de apoio domiciliário 15 utentes, 13 mulheres e dois homens, com uma média de idades de 78 anos e residentes no concelho de Sines.

“O serviço é indicado para pessoas com alguma autonomia, garantindo que permaneçam o maior tempo possível nas suas residências”, acrescentou.

De acordo com a Misericórdia de Sines, o projecto já permitiu responder “a vários casos de emergência médica”, como crimes de violência doméstica, pequenas quedas no domicílio ou doenças súbitas.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s