Indorama quer ter impacto de 0,3% no PIB de Portugal

1848_indorama.png

Mais de 95% da produção da unidade petroquímica da Indorama em Sines segue para a exportação para mercados do mundo inteiro. O grupo tailandês Indorama Ventures Portugal pretende ter um impacto de 0,3% no PIB – Produto Interno Bruto de Portugal quando a fábrica de Sines estiver em plena laboração. Em entrevista ao último número da ‘newsletter’ da APS – Administração dos Portos de Sines e do Algarve, Marco Vantaggiato, director geral  e COO (‘Chief Operational Officer’, isto é, administrador operacional) da empresa assume que “a Indorama Ventures portugal posiciona-se como uma empresa exportadora (mais de 95% do nosso produto é exportado para o mundo inteiro) com um impacto expectável no PIB de Portugal a ordem de 0,3% com a fábrica a plena capacidade”. Recorde-se que a Indorama adquiriu a unidade industrial da Artlant em Sines em 2017. A Artlant entrou em processo de falência, depois de o mesmo ter sucedido à sua antecessora, o grupo português La Seda, que mais recentemente tem sido apontado como um dos grandes devedores da Caixa Geral de Depósitos. Nesse mesmo ano , o grupo tailandês adquiriu também os activos que o grupo francês Veolia detinha em Portugal na áreas das ‘utilities’, que passaram a ficar integrados na participada Indorama Ventures Utility. No primeiro caso, a unidade industrial da Indorama em Sines tem uma capacidade de produção de cerca de 700 mil toneladas anuais. Sobre o primeiro semestre de actividade sob a batuta da Indorama, Marco Vantaggiato defende que “foi um ano repleto de desafios com os primeiros seis meses focados na reactivação da instalação fabril, depois de mais de dois anos de paragem”. “Neste período foram gastas mais de 200 mil horas nas várias actividades de manutenção, sem nenhum incidente de segurança e cumprindo o objectivo definido inicialmente pela casa-mãe: arranque no dia 1 de julho”, assegura o responsável da Indorama Ventures Portugal. Vantaggiato sublinha que, “após a paragem, a fábrica conseguiu um bom desempenho operacional, demonstrando assim que o trabalho efectuado, não só nos últimos meses, mas também no período de paragem forçada, foi de boa qualidade”. O COO da Indorama Ventures Portugal entende que a empresa “trouxe compromissos de fidelização com fornecedores, clientes, prestadores de serviço e ‘stakeholders’”. “O profundo conhecimento do mercado de PTA [ácido tereftálico purificado] transforma-se, assim, em garantia de escoamento do produto acabado. No mercado do poliéster, onde se pode ganhar ou perder um cliente por poucos cêntimos por tonelada no preço de venda final, uma alta utilização da fábrica e uma estrutura de custos fixos competitiva é a verdadeira chave de volta”, defende o director geral deste grupo petroquímico. Sobre os principais objectivos e metas a atingir pelo grupo a médio e longo prazos, Marco Vantaggiato assume que, “actualmente, estamos focados em rentabilizar o investimento feito pela Indorama Ventures PCL na aquisição desta fábrica de PTA”. “O principal objetivo será de continuar a produzir na plena capacidade produtiva da fábrica, tarefa não óbvia, sendo que a instalação esteve parada quase três anos e nos seis anos anteriores de actividade só chegou a produzir uma quantidade equivalente a um ano de produção”, destaca o COO da Indorama Ventures Portugal. Marco Vantaggiato prevê mesmo que “a ausência actual de produtores da nossa matéria prima e o grande consumo que nós fazemos das mesmas, acredito que possa criar mais interesse por novos investimentos”. Sobre a localização da unidade industrial em Sines, o diretor geral da Indorama Ventures Portugal advoga que “a zona industrial e logística de Sines, tal como o porto de Sines, têm excelentes condições e enorme potencial”. “Desde o início da nossa actividade, trabalhamos junto dos nossos parceiros de forma a tirar o melhor proveito e minimizar os custos relacionados com estas mesmas actividades”, acrescenta Marco Vantaggiato. O director geral e COO da Indorama Ventures Portugal conclui a entrevista à ‘newsletter’ da APS dizendo que “a região de Sines tem todas as condições para ser referência não só a nível nacional, como já é, mas também a nível internacional devido às infraestruturas existentes e à sua excelente localização geográfica”. Recorde-se que o grupo Indorama, com sede em Banguecoque, capital tailandesa, encerrou o exercício de 2017, último ano de que existem dados publicados, com um volume de receitas consolidado de 8,4 mil milhões de dólares, cerca de 7,35 mil milhões de euros ao câmbio actual.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s