Câmara de Sines geminada com Pemba envia bens alimentares para Moçambique

naom_5c94ccc469d4a.jpg

“Vamo-nos associar às entidades que já estão a preparar o envio de produtos e iniciámos contactos com a Embaixada de Moçambique para ultimar a melhor forma de enviar, através da Cruz Vermelha ou outra instituição, bens alimentares e de primeira necessidade”, disse à agência Lusa o presidente da Câmara Municipal de Sines, Nuno Mascarenhas. O município de Sines, que já aprovou também um voto de pesar pelas vítimas do ciclone Idai, está geminado com Pemba, no norte de Moçambique, desde 2014, mantendo uma relação de proximidade.

“Aquilo que é solicitado são bens alimentares, de preferência enlatados, com duração mais prolongada, uma vez que estamos a falar de um país ainda distante e com alguma morosidade no envio dos produtos e até chegarem às populações. Por isso, estamos a preparar o envio de forma a que cheguem o mais rapidamente possível a Moçambique”, acrescentou.

O município de Sines já começou a trabalhar na “aquisição dos produtos junto do comércio local com vista ao seu envio, na próxima semana, para Lisboa”, explicou Nuno Mascarenhas,

“Embora não tenhamos em Sines um posto de recolha e estejamos ainda a tratar de uma iniciativa da câmara municipal, penso que quem estiver interessado em apoiar o povo moçambicano pode juntar-se com a entrega de produtos nos Bombeiros Voluntários de Sines”, sublinhou.

Questionado sobre a existência de cidadãos do concelho alentejano na zona afectada pelo ciclone, o autarca disse ter apenas conhecimento de “algumas pessoas de Sines ou da região com empresas naquela área e que foram bastante afectadas”.

“Não foi possível contactá-los e não sabemos em que condições poderão estar”, afirmou.

Para o autarca, que visitou o município de Pemba, no mandato anterior, trata-se de “uma situação chocante”, que veio “agravar a situação já de si complicada, devido à falta de saneamento e infraestruturas, do povo moçambicano”.

“A sensibilidade de todo o executivo municipal foi no sentido de aprovar um voto de pesar e de consternação por tudo aquilo que aconteceu ao povo moçambicano que é algo inimaginável e nos entristece”, concluiu.

O balanço provisório da passagem do ciclone Idai é de 557 mortos, dos quais 242 em Moçambique, 259 no Zimbabué e 56 no Maláui.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s