Modernização do troço ferroviário entre Sines/ Ermidas do Sado é suficiente para “satisfazer as necessidades de curto e médio prazo do Porto”.

2846a00c1af9ea006dfbc2bc047f1cf0_L.jpg

A modernização do troço ferroviário entre Sines e Ermidas do Sado é suficiente para «satisfazer as necessidades de curto e médio prazo do Porto de Sines». Quem o garante é o presidente da APS, José Luís Cacho, em declarações à Transportes em Revista, à margem do Ciclo de Palestras promovido pela SRS Advogados e a Transportes em Revista e que teve o administrador portuário como principal convidado.

Segundo José Luís Cacho, com esta intervenção «iremos conseguir assegurar o número de comboios suficientes no hinterland, quer para o Terminal XXI, quer para o futuro Terminal Vasco da Gama». No entanto, o presidente do Porto de Sines, ressalva que «esta via tem um conjunto de constrangimentos que no futuro têm de ser resolvidos. Isso resolve-se com a nova ligação entre Sines e Grândola, cujo investimento o Governo já incorporou no Portugal 2030. Para nós é importante que este investimento seja realizado, não só para resolver os constrangimentos da via como também para servir como alternativa e não ficarmos tão dependentes do outro ramal».

As previsões apontam para que o Terminal Vasco da Gama esteja concluído e em operação em 2023 e a ligação entre Sines e Grândola só em 2027. Será que neste espaço de três anos, a atual linha será suficiente para servir os dois terminais? José Luís Cacho refere que «mesmo que esta linha não fosse feita, o que não acredito, em 2027 a atual linha iria ter capacidade para assegurar o tráfego ferroviário nos dois terminais. Com esta intervenção vai ser possível fazer 44 comboios/dia e com comboios mais longos. Os nossos estudos apontam que o potencial de carga do hinterland tem uma capacidade limitada».

O Presidente do Porto de Sines adianta que, atualmente, o transhipment é responsável por 80% da carga contentorizada em Sines, sendo que a carga para o hinterland representa apenas 20%. No entanto, para o responsável, este valor irá situar-se, no futuro, nos 10%. Isto porque, segundo, José Luís Cacho, «a região do West Med testemunhou um tremendo crescimento no transhipment entre 2010 e 2018, com um crescimento de 68%».

Também por este motivo, justifica-se a construção de um novo terminal de contentores em Sines, ressalva o presidente do Porto de Sines: «apesar de existirem um conjunto de fatores a nível mundial que podem contribuir negativamente para a diminuição do tráfego marítimo, o crescimento no West Med sustenta um novo terminal de contentores. Estamos a fazer o nosso trabalho e sabemos que o mercado está a olhar para este projeto e temos o crescimento assegurado para os próximos 4 ou 5 anos. Temos capacidade para duplicar o número de contentores que faremos nos próximos anos. Acreditamos que vai ser um sucesso para Sines».

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s