Mexia admite antecipar fecho da central a carvão da EDP em Sines.

Fotor_158020374485113

António Mexia garante que a EDP vai continuar a operar as três centrais elétricas a carvão no mercado ibérico – tem uma em Sines e duas nas Astúrias (Espanha) – “enquanto elas forem ‘cash positive’” e “libertarem o suficiente para pagar os custos de funcionamento”.

Argumentando que “tudo o que forem decisões extemporâneas, se não forem preparadas, têm custos”, o presidente da empresa elétrica frisa, numa entrevista ao Eco, que “o carvão está a sair [da produção de energia] não só por decisões políticas, mas porque o mercado está a dizer que ‘tu vais perder dinheiro’”.

Após ter anunciado, em dezembro, que os custos extraordinários com as centrais a carvão vão obrigar a imparidades de 300 milhões de euros, o líder da EDP diz que “se [considerasse] que as margens não estavam lá, até já [tinha] pedido para que Sines não operasse”, frisando que a unidade “ainda faz parte desta transição energética”.

Em 2019, a produção da EDP a partir de carvão caiu para metade. O encerramento da central a carvão portuguesa está agendada para 2023, com António Mexia a reforçar nesta entrevista que o fecho será mesmo antecipado “se não libertar cash”.

Foto: Luis Guerreiro

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s