Sabão azul: o poderoso desinfectante

1156841_A101-13103566-1068x710

A receita tradicional mistura oleína de azeite, óleo de coco refinado e sebo branqueado. O fabrico inclui vários reagentes, aparas de produções anteriores, cozedura de algumas horas a alta temperatura, verificação da viscosidade e alcalinidade, corante que dá a tonalidade azul. Saponificação é o nome técnico de tão complexa reacção química. O processo de cura e secagem pode demorar 10 a 15 dias no verão, depois é cortado em barras e embalado para chegar à clientela. É um resistente no admirável novo mundo de tantos detergentes. Não é por acaso.

Surgiu na Antiguidade, ganhou estatuto na era moderna, começou a ser produzido em massa durante a revolução industrial. Não se sabe o nome de quem inventou o sabão, há vestígios aqui e ali antes de Cristo nascer, e suspeitas de que o coalho branco que flutuava nas fervuras de gordura animal com cinzas tenha sido o clique para uma descoberta feita ao acaso, a partir de uma matéria intrigante. De experiência em experiência, o sabão azul tornou-se um forte aliado da higiene doméstica. E não só.

Lava bem o corpo, torna a pele mais sedosa, tira nódoas difíceis da roupa, é recomendado para a higiene íntima feminina, chegou a ser usado para desinfetar blocos operatórios, laboratórios farmacêuticos, mãos de médicos e enfermeiros. Nasceu para lavar e limpar, tem resistido à concorrência, os seus ingredientes encaixam-se numa alquimia que potencia todo o seu poder para limpar em profundidade e eliminar impurezas de superfícies, panos, pele.

As suas propriedades antibacterianas e adstringentes, implacáveis na higienização e hidratação, não passam despercebidas e saltam para a linha da frente nesta luta em cenário de pandemia. O sabão azul é um desinfectante de respeito, recomendado por quem percebe do assunto. O sabão do tempo das avozinhas, dos tanques de pedra, está em força na lavagem das mãos, lado a lado com os géis desinfectantes. Sabe-se também que é um bom desmaquilhante, que previne o acne, substitui a espuma de barbear, controla a produção de óleo capilar, branqueia roupa amarelada, elimina microrganismos que não são bem-vindos e ainda bate o pé a agentes infeciosos. Uma preciosidade barata nos dias que correm.

Foto: Gonçalo Villaverde/Global Imagens

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s