“Podemos fechar em segurança” central de Sines, mas falta linha da REN para sul, diz Galamba.

Na última semana de funcionamento da maior central a carvão do país, segundo avança a ECO/Capital Verde, osecretário de Estado Adjunto e da Energia, João Galamba, garante que “podemos fechar em segurança” a icónica central termoeléctrica da EDP em Sines. Mas deixa, ainda assim, uma ressalva: falta ainda uma peça importante do puzzle, que é a linha de alta-tensão da REN para sul. Esta linha deve estar pronta em 2022, para que as novas centrais solares, que já entraram ou que vão começar a entrar em funcionamento, se possam ligar à rede e a produzir electricidade de origem renovável.

“Claro que para termos as condições plenas de segurança é preciso a construção da linha de alta-tensão Ferreira do Alentejo-Tavira que estamos, juntamente com a REN, a assegurar que estará pronta em tempo devido. Mas estamos neste momento com a segurança suficiente para fechar Sines com os ganhos ambientais que daí advêm sem pôr em risco a estabilidade de rede e a segurança de abastecimento“, afirmou o governante.

O fecho da central de Sines chegou a estar previsto pelo Governo de António Costa apenas para 2023, uma vez que dependia da entrada em funcionamento das três barragens que a Iberdrola está a construir no Alto Tâmega e a construção de uma nova linha de eletricidade entre Ferreira do Alentejo e o Algarve, ambos os projectos ainda por concluir.

A Iberdrola garante que “o Sistema Eletroprodutor do Tâmega está a avançar conforme o previsto e os aproveitamentos hidroeléctricos de Gouvães e Daivões e estarão disponíveis para entrar em operação no final de 2021”, com uma potência de 880 MW e 118 MW, respectivamente.

“Temos trabalhado com a REN e com a ERSE nos últimos meses para assegurar que as condições que permitem o encerramento estão no terreno e temos já hoje essas garantias. Entre a mobilização de um conjunto de cogerações e de outras medidas mitigadoras de riscos, podemos encerrar Sines mantendo os padrões de risco a que estamos obrigados no sistema eléctrico nacional”, frisou Galamba, sublinhando que o Governo se viu confrontado com o pedido da EDP para encerrar a central, porque deixou de ser competitiva.

“O carvão, a partir do momento em que começou a deixar de ter as isenções fiscais que tinha, perdeu competitividade e saiu do mercado. Antes de autorizar o encerramento tivemos de verificar que era possível e que não punha em causa nem a segurança de abastecimento nem a estabilidade da rede”, rematou.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s