Galamba confiante que Sines será “destino importante de investimento”

Segundo avança o Jornal de Negócios, o secretário de Estado da Energia, João Galamba, garante que o Governo tem acompanhado o processo do encerramento da central a carvão do Pego, previsto até ao final desde ano. E acredita que, à semelhança dos planos da EDP para Sines, a central de Abrantes tem potencial para ser alvo de um futuro investimento para continuar a ser um centro eletroprodutor. “A central a carvão do Pego é um consórcio onde há várias empresas com entendimentos diferentes sobre o futuro daquele projeto”, começou por explicar o responsável esta quarta-feira no Parlamento. Esta unidade é detida pela Tejo Energia, que resulta de uma parceria entre a TrustEnergy (“joint-venture” da Engie e da japonesa Marubeni) e a Endesa. João Galamba revelou que o Governo tem tentado ajudar a encontrar uma solução para “manter aquele local como importante polo estratégico”, de modo a que os “trabalhadores daquela central possam olhar para um futuro” naquele complexo, “como trabalhadores de Sines, apontou. “Os dois polos serão destinos importantes de investimentos”, assegurou o secretário de Estado da Energia. Já antes, durante a sua intervenção, o ministro do Ambiente tinha relembrado os plano de encerramento das centrais de Sines e do Pego no âmbtio da estratégia de descarbonização. E relembrou que se tratava de “duas das maiores instalações poluentes do país, que entre 2012 e 2018 representaram entre 15% e 18% do total nacional de emissões de gases com efeito de estufa”.  “Portugal deixará, assim, de emitir 4,8 milhões de toneladas de dióxido de carbono, alcançando uma redução estimada de 31% das emissões de gases com efeito de estufa em relação a 2005”, acrescentou Matos Fernandes. Questionado sobre a estratégia para o hidrogénio verde, que tem gerado controvérsia, o ministro relembrou que além de uma unidade industrial de eletrolisadores,  o conhecido Projeto H2Sines, há também em vista outros projetos, entre os quais o Projeto Fusion Fuel, a instalação de uma Comunidade de Energias Renováveis, a produção de amónia verde, ou a captura de dióxido de carbono e a criação de um “data center”. “O hidrogénio verde não centra apenas em Sines”, apontou. A central de Sines, que arrancou com a sua produção em 1985, era previsto encerrar a sua atividade até 2023. Porém, a EDP antecipou para o passado dia 15 de Janeiro o fecho desta unidade, que tem uma capacidade de 1.192 MW. No total, as duas centrais empregam cerca de 700 trabalhadores.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s