Take-away e entregas ao domicílio. Rentabilidade “quase nula”

A secretária-geral da AHRESP, Ana Jacinto, afirmou que a rentabilidade do take-away e entregas ao domicílio é “praticamente nula” para restaurantes que aderiram recentemente e uma das razões são as comissões elevadas das plataformas.

“Muitos destes negócios não têm margem sequer de 20% para pagar 20% a uma plataforma,  logo à partida isto é um fracasso”, apesar de o Governo ter interferido nesta matéria.

A secretária-geral da AHRESP disse que, à excepção de empresas que já tinham como ramo de actividade básica o ‘take away’ ou as entregas ao domicílio (‘delivery’) antes da pandemia, as que aproveitaram estas modalidades para fazer face às restrições impostas para conter a covid-19 “enfrentam várias dificuldades”.

Ana Jacinto considerou, ainda, que a proibição de venda de bebidas em ‘take away’ é um factor prejudicial ao negócio dos restaurantes, uma vez que leva os consumidores a dirigirem-se a espaços onde podem comprar a comida e a bebida juntas.

Para a AHRESP, a restauração está neste momento dependente da “capacidade que o Governo tenha de, efetivamente injetar dinheiro nas empresas”, para que consigam resistir até ao momento da retoma.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s