PCP critica encerramento de Matosinhos e receia por Sines.

O PCP criticou a “opção criminosa” da Galp, de encerrar na refinaria de Matosinhos, Porto, a partir de hoje, responsabilizou o Governo do PS e afirmou recear decisões no futuro sobre o complexo de Sines.

Em comunicado, os comunistas sublinham que a paragem da laboração é um “crime contra os interesses nacionais, de destruição do aparelho produtivo e de emprego qualificado, e de aumento da dependência externa do país”.

Os responsáveis são os accionistas da Galp, “cuja única preocupação é o aumento de lucros e a distribuição de chorudos dividendos”, mas também o Governo do PS, que se “lançou na defesa ideológica do encerramento sem qualquer hesitação”, e “as políticas da União Europeia que têm arrasado parte da capacidade produtiva e industrial do país”.

Esta opção de fecho da refinaria, “a não ser travada”, vai levar “novas medidas de destruição da capacidade produtiva nacional, não sendo de excluir uma nova investida, desta vez sobre a última refinaria que restará ao país, a de Sines”.

Na segunda-feira, a Galp anunciou que a refinaria de Matosinhos deverá parar totalmente no final de abril, arrancando então as operações de desmantelamento e mantendo-se as previsões iniciais de uma poupança anual de 90 milhões de euros com o encerramento.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s