Galp quer apoios do Estado para descarbonizar refinaria de Sines

Segundo avança o Jornal Económico, a Galp quer apoios do Estado para descarbonizar refinaria de Sines.À margem da Web Summit, a Galp Energia realizou esta semana um“mini-Blitzkrieg” mediático. Primeiro foi o anúncio, na terça-feira, de um investimento de 180 milhões de euros em energias limpas. No dia seguinte, num pequeno almoço com gestores e jornalistas, o CEO anunciou que a Galp vai desistir de novas actividades de prospeção de petróleo e gás natural a partir de janeiro. O encontro serviu também para Andy Brown anunciar a entrada no mercado do lítio para baterias e defender uma “parceria”com o Estado para descarbonizar a refinaria de Sines, de maneira a evitar que aquela unidade tenha o mesmo destino que a de Matosinhos, encerrada em abril.“No longo prazo, na década de 2030, vamos precisar de descarbonizar Sines. Isso significa investir no hidrogénio e outras energias limpas. E eventualmente teremos de encerrar parte da atividade feita com combustíveis fósseis. Para isso será necessária uma parceria com o Governo. O Governo tem de querer criar um futuro para Sines, para evitar uma situação como a de Matosinhos, em que estivemos a perder 800 milhões de euros durante 15 anos. Não era viável. E temos de nos assegurar que Sines continua viável, por Portugal e pelos postos de trabalho”, disse o gestor. “Temos de trabalhar juntos em incentivos para que isso aconteça”,, acrescentou, quando questionado pelo JE se são necessários incentivos.“A transição energética vai exigir que todos trabalhem em conjunto. Vamos precisar de muita inovação e de novas ideias. Sines vai precisar de uma rápida transformação (…). Tudo isto tem de ser feito em parceria com o Estado”, defendeu Andy Brown.O CEO referiu que a Galp tem estado em contacto com o Governo e que coloca várias propostas em cima da mesa para o futuro da refinaria de Sines, algumas relacionadas com a cadeia de valor das baterias e outras sobre combustíveis sustentáveis, como o hidrogénio. “Creio que o Governo é muito progressista no que toca a adoptar soluções à base de hidrogénio. Temos uma boa relação no que diz respeito às oportunidades futuras”, frisou.Andy Brown defendeu ainda que a Galp “quer estar um passo à frente” na transição energética, em vez de ser “pressionada pela sociedade e pela regulação”.“Estamos a colocar metade do nosso dinheiro em energias verdes. (…) Creio que somos a primeira grande petrolífera europeia a anunciar publicamente que vai deixar de fazer prospeção de novas reservas”, disse o CEO, acrescentando que isto é possível porque a Galp dispõe ainda de vastas reservas de petróleo e gás natural por explorar em países como o Brasil e São Tomé.“Por outro lado, somos os primeiros porque a Galp quer fazer uma transição rápida. A Galp quer uma redução de 40% no dióxido de carbono que produzimos até 2030. É muito mais rápido do que qualquer outra empresa. Isto significa que queremos fazer esta transição muito rapidamente. A dimensão da Galp, quando comparada com outras empresas de Oil&Gas americanas e europeias, constitui uma vantagem adicional que facilita a transição para uma nova realidade, menos dependente dos combustíveis fósseis, defendeu Andy Brown.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s