Os portos de Sines: lugares de encontros e subsistência

Sines sempre se relacionou com o mar. Essa relação, que decorre desde que a nossa memória coletiva tem registo, foi tomando lugar de múltiplas formas.Hoje, e sem prejuízo da pesca continuar a ocupar o dia-a-dia de muitos sineenses, o diálogo com o mar não só permanece como se intensificou, tornando-se, todavia, distinto, fazendo-se agora sobretudo através do porto de contentores, privilegiada porta de entrada para a Europa e ativo estratégico fundamental para o país.A natureza de Sines é ser uma terra de porto e é interessante compreender a simbologia desta circunstância na construção da nossa identidade: o porto como lugar de chegada e de partida, de amores, desamores e despedidas, de lágrimas coletivas e de alegrias íntimas. Ao porto, símbolo do cosmopolitismo em potência, está também reservado um lugar de relevo na imagética construída pela literatura.Em trechos da sua obra Fernando Pessoa debruçou-se sobre a angústia e a melancolia do porto. Na Odisseia, Homero confere ao porto de mar longas referências e também em Camões encontramo-lo como lugar de refúgio e de abrigo.Sem esquecer, claro, Melville, com Moby Dick, além de muitos outros. Mas o porto é, também, – e sobretudo – um dos mais destacados e dinâmicos centros de trocas comerciais, constituindo-se como condição sine qua non para a globalização tal como a conhecemos. Não raro se avança até, mais ambiciosamente, que o mais profundo, rigoroso e significativo símbolo da globalização não será o avião, mas o contentor.Para a população local, o advento do Complexo Industrial, no virar dos anos 70, representou uma quase cisão com o modo de vida que se praticava até à altura.A paisagem natural alterou-se, o mar começou a preencher-se por navios com contentores empilhados configurando contornos de construções de lego, o emprego diversificou e expandiu e parte da população passou a conseguir vislumbrar novas e mais otimistas perspetivas profissionais.Soubemos, nos últimos dias, que o porto de Sines integra, atualmente, o Top 15 dos maiores portos europeus de contentores, de acordo com uma investigação feita pelo especialista Theo Notteboom.A pesquisa demonstra que a infraestrutura é uma das que mais tem crescido, tanto no difícil ano de 2020 como nos primeiros nove meses de 2021. O porto é a mais profunda manifestação da identidade da terra; se por décadas foi fundamental para que Sines se estabilizasse como vila piscatória, hoje confere-lhe a força de centro industrial.É claro e límpido que é no mar e nos portos industrial e piscatório que as famílias de Sines têm vindo a encontrar a sua boa subsistência. Cabe ao poder político o engenho bastante para reconhecer no porto de Sines o maior ativo estratégico das próximas décadas, tanto local como regionalmente.Invocando a sua natureza de pulmão do próprio Complexo Industrial, devem ser concentrados esforços e procurados novos investimentos que consigam diversificar o tecido empresarial da região, através do porto.O porto deve constituir-se como um elemento facilitador desta dinâmica e aos poderes central e sobretudo local cumpre ter bem clara esta prioridade: diversificar, dinamizar e ecletizar o tecido empresarial da região, a fim de que deixemos de estar quase totalmente dependentes de um grupo de empresas que apesar de grande na magnitude das suas operações, é pequeno no seu número.Cumpre-nos agir para que o porto continue a ser lugar de futuro, em Sines.

Opinião de Gonçalo Naves, Jurista, Vereador Independente pelo MAISines. Artigo original do Setubalense.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s