ISQ vai integrar o projecto de produção de hidrogénio verde de 100 MW em Sines

Segundo avança o Dinheiro Vivo, dentro de quatro anos, a partir da central termoeléctrica de Sines, vai começar a produzir-se hidrogénio renovável, graças ao projecto GreenH2Atlantic, que recebeu luz verde da Comissão Europeia. Este projecto que integra 14 empresas e entidades, como a EDP, Galp, Martifer, Efacec, Bondalti, INESC-TEC e CEA, irá incluir também o ISQ, que foi seleccionado como I&D partner no âmbito do Green Deal.

“Com a criação de um cluster de hidrogénio verde em Sines, o ISQ contribuirá significativamente para os objectivos de sustentabilidade de Portugal e da região de Sines em particular, dando o seu contributo para o cumprimento do roteiro de transição energética que os países mais avançados estão a fazer, neste que é um projecto estratégico para Portugal”, sublinha o presidente do ISQ, Pedro Matias, em comunicado.

O GreenH2Atlantic conta com um financiamento de 30 milhões de euros para a fase de construção, em 2023, prevendo-se o início da operação em 2025. A nova unidade vai localizar-se no terreno da central termoeléctrica de Sines, encerrada no início deste ano.

O projecto de produção de hidrogénio verde – um dos três projectos internacionais seleccionados por Bruxelas no âmbito do Programa de investigação e desenvolvimento Horizon 2020 – European Green Deal, em linha com a estratégia e objectivos europeus rumo à neutralidade carbónica – “passa pelo desenvolvimento e implementação de um eletrolisador de 100 MW, composto por módulos escaláveis de 8 MW com elevada capacidade para atingir a máxima eficiência, dimensão, vida útil e flexibilidade; mas também pelo sistema de interface composto por tecnologias de gestão avançadas que permitirão a ligação direta do eletrolisador a energia renovável híbrida local (solar e eólica)”, destaca o ISQ.

Pedro Matias explica que “o ISQ irá contribuir em áreas de inovação como por exemplo os requisitos e design review na fase de desenvolvimento do eletrolisador; o estudo das normas e metodologias de certificação relevantes para sistemas de eletrolisação; o estudo das formas de valorização do oxigénio e calor (resultantes do processo de eletrolisação); assim como a capacitação dos Recursos Humanos em Portugal para operarem no novo processo de produção do H2 verde, em Sines”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s