Governo rejeita reabrir Central Termoeléctrica de Sines

Segundo o CM, o Governo avançou que “o único modo sustentável de diminuir quer as importações, quer os custos de eletricidade, é pela via da aceleração na entrada em funcionamento de toda a potência renovável possível e não através da manutenção de centrais termoeléctricas a carvão”.

Avança ainda que a aposta está centrada na produção de eletricidade a partir da energia solar, solução em que o país não está dependente do fornecimento de matéria prima do estrangeiro, como acontece com o carvão ou o gás natural. No cumprimento desse objectivo, “no primeiro semestre deste ano, haverá produção de mais 600 MW de energia solar, o que corresponde, grosso modo, à produção da central do Pego (Abrantes)”, encerrada no final de 2021, revela em nota de esclarecimento o Ministério do Ambiente e Acção Climática. É ainda destacado que ao longo do último ano se verificou a criação de centrais fotovoltaicas com uma capacidade de produção superior à central do Pego. O ministério revela que “não tem correspondência à realidade a ideia de que Portugal importa eletricidade de Espanha porque encerrou as centrais a carvão”. Recordando que, estando tanto Sines e o Pego a funcionar, o país era importador líquido de eletricidade. Rejeita ainda a “alegada relação entre o fecho das centrais a carvão e o baixo nível de armazenamento nas albufeiras das barragens”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s