Porto de Sines como porta de entrada do Qatar LNG para a Europa Central?

Portugal pode tornar-se uma porta de entrada estratégica para fortalecer a cadeia de abastecimento global de gás natural liquefeito (GNL) de Doha para a Europa, através do seu porto de águas profundas, de acordo com o Forum Portugal Qatar (FPQ), sediado em Lisboa, uma organização sem fins lucrativos para promover o comércio entre os dois países.

“O porto de águas profundas de Portugal (Sines), está pronto e tem capacidade para armazenar GNL, e o gasoduto para distribuição direta para a Europa Central”, disse Nuno Anahory, fundador e presidente da FPQ, que organizará a cimeira Qatar-Portugal Trade and Investments em outubro deste ano.

O Qatar entregou a sua primeira carga de GNL para Portugal em 2010. A carga, vendida no mercado spot, foi entregue à Galp Energia SGPS no terminal de GNL de Sines. “A FPQ espera colaborar com todas as entidades para promover os laços entre os dois países”.

A FPQ oferece assistência dedicada no fornecimento de contactos e apoio a missões comerciais, empresários importantes e outros que pretendam visitar o Qatar, e todas as entidades do Qatar que pretendam visitar Portugal, de forma a promover relações económicas conjuntas e proativas.
A associação estende o seu legado à comunidade lusófona de 280 milhões de habitantes, os países de língua portuguesa africana, onde tem parceria estratégica com conselhos empresariais com representação em cada país, disse.

O Qatar é observador associado da CPLP- Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, entidade global composta por nove países Angola, Brasil, Portugal, Timor Leste, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné Equatorial, Guiné-Bissau e Moçambique.

“Isso reflecte o papel de desenvolvimento global do Catar e está dentro da estrutura da estratégia de cooperação internacional multilateral perseguida pelo Estado para cooperar para o desenvolvimento e aumentar o intercâmbio cultural com todos os países e pessoas”, disse Anahory.

As importações portuguesas do Qatar cresceram acentuadamente em 2018, de 155 milhões de euros em 2017 para 223 milhões de euros em 2018, devido à crescente relação comercial entre os dois países, que se acentuou com as importações de combustíveis minerais cuja quota das importações em 2018 foi de 199 milhões de euros.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s