Famílias gastam poupanças para aguentar crise.

A maioria das famílias portuguesas só vai conseguir resistir à grave crise inflacionista e energética e ter dinheiro para fazer compras, boa parte delas de bens essenciais, porque irá recorrer como nunca às poupanças, diz o Banco de Portugal, no novo boletim económico.

Depois de ter atingiu um máximo histórico superior a 19% do rendimento disponível no início da pandemia, as famílias já estão a esvaziar o dinheiro que amealharam nesses tempos de maior clausura. E vão continuar a rapar o fundo do cofre. Em 2023, esse rácio de aforro dos particulares colapsa para apenas 3,9%, diz o banco central governado por Mário Centeno.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) define como taxa de poupança famílias “a parte do rendimento disponível que não é utilizado em consumo final, sendo calculada através do rácio entre a poupança bruta e o rendimento disponível (incluindo um ajustamento pela variação da participação líquida das famílias nos fundos de pensões)”.

Advertisement

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s