Alentejo já começou a adquirir frigoríficos para vacinas da covid-19

Segundo avança a Sábado, a Administração Regional de Saúde do Alentejo (ARS) assinou um contrato para a compra de quatro frigoríficos para vacinas no âmbito da pandemia de covid-19. As duas vacinas já anunciadas nas últimas semanas, da Pfizer e da Moderna, têm de ser armazenadas a temperaturas negativas, sendo necessários frigoríficos específicos para o efeito.

De acordo com o contrato publicado no Portal Base, a ARS adquiriu quatro frigoríficos à Iberlab & Imunoreage – Soluções para Laboratório, Lda., uma empresa especializada em material de laboratório. O custo destes quatro frigoríficos foi de 5.720 euros, o que dá cerca de 1.430 euros por cada unidade. Este contrato foi captado pelo portal Base Covid-19, uma iniciativa cidadã que capta todos os contratos que aparecem no Portal Base e que contenham uma referência à covid-19.

O contrato publicado no Base não específica qual a capacidade de refrigeração destes frigoríficos. Mas até ao momento, segundo as duas empresas que já apresentaram projetos de vacina, vai ser necessário um refrigerador que possa atingir temperaturas abaixo dos oito graus negativos ou até mesmo abaixo dos – 75ºC.

Dois laboratórios farmacêuticos já anunciaram ter vacinas contra a covid-19 com taxas de eficácia superiores a 90%: a Pfizer e a Moderna. Apesar de a vacina da Pfzier ter uma taxa de sucesso superior a inocular contra o novo coronavírus (95%) do que a da Moderna, tem um grande problema: o armazenamento.

A vacina da Pfizer tem de ser conservada a -75 ºC. A farmacêutica vai distribuir as vacinas directamente nos centros de vacinação, numas caixas térmicas com gelo seco. “Estas caixas terão medidores de temperatura, monitorização por GPS, e permitem uma conservação até 10 dias, mais 5 se forem guardadas num frigorífico entre 2 a 8 graus”, explica a directora médica da Pfizer.

Já a Moderna prevê que a sua vacina possa ser armazenada em segurança em frigoríficos comuns entre os 2 e os 8 graus de temperatura, e que aguente até 30 dias nestas condições. O transporte e armazenamento a longo prazo pode ser feito a temperaturas de -20 ºC, durante seis meses. À temperatura ambiente, a vacina aguenta até 12 horas. Também não é precisa nenhuma preparação, nomeadamente a diluição, antes da administração da vacina.

Foto: Reuters

“Mar de Sines” vai ser disponibilizado online.

No âmbito das comemorações do Dia do Município 2020, a Câmara Municipal de Sines disponibiliza “online”, esta terça-feira, 24 de novembro, às 21h00, o filme “Mar de Sines: A Resiliência das Gentes do Mar”.

Resultado de mais de 100 entrevistas e 250 horas de gravações, o documentário é um projecto de cinema com a comunidade. Reúne os testemunhos de três gerações de pescadores que são protagonistas de uma pesca baseada nas artes tradicionais e no respeito pelos recursos.

O porto de pesca e os seus intervenientes preenchem o núcleo principal de “Mar de Sines”, mas o filme navega para outros territórios: encontra os últimos pescadores-cabaneiros de São Torpes; percorre a costa rochosa com os mariscadores; escuta as memórias dos pescadores do alto.

O filme foi realizado por Diogo Vilhena, com produção e assistência de realização de António Campos e banda sonora original de Charlie Mancini.

A banda sonora contou também com a participação de músicos da região, entre os quais o Grupo Coral da Casa do Povo de Vila Nova de Milfontes, cujos membros terão agora a oportunidade de ver ao vivo, na sua terra, o filme a que deram a sua voz.

A criação de “Mar de Sines” contou com o apoio de 27 entidades locais e nacionais, que cederam documentos e fotografias das suas coleções, prestaram consultoria científica, facilitaram a realização de entrevistas e autorizaram as 60 horas de filmagens realizadas a bordo. Mais de 2000 pessoas estiveram envolvidas nos processos de rodagem e pós-produção.

Desde que foi estreado, o documentário tem vindo a percorrer auditórios e festivais em Portugal e um pouco por todo o mundo. Em 2016, venceu o prémio de “Melhor Filme Etnográfico” no Festival Internacional do Filme Etnográfico do Recife (Brasil).

“Mar de Sines” foi uma produção da Câmara Municipal de Sines. Representou um investimento de €41 413,32, cofinanciado em 75% pelo PROMAR – Programa Operacional Pesca 2007-2013 / Governo de Portugal – Ministério da Agricultura e do Mar / Fundo Europeu das Pescas / União Europeia. A ADL – Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejo foi o parceiro gestor do GAC Além Tejo.

Acidente: Criança de três anos vítima de atropelamento em Sines

Segundo avança o Correio da Manhã, um menino de três anos sofreu esta terça-feira, uma fractura exposta numa perna e várias escoriações, vítima de um atropelamento em Sines. A criança estava na rua com o pai e por razões que não foram ainda apuradas foi colhida por uma viatura ligeira de passageiros, sofrendo várias escoriações e uma fratura exposta numa perna. A criança que foi considerada ferido ligeiro, foi transportada pelos Bombeiros de Sines para o Hospital de São Bernardo, em Setúbal. A equipa do VMER do Hospital do Litoral Alentejano acompanhou a criança até à unidade hospitalar onde irá ser submetida a uma intervenção cirúrgica. O alerta foi dado às 13h19, e nas operações de socorro estiveram os Bombeiros de Sines com 3 operacionais, apoiados por 2 viaturas. Esteve também presente a VMER do Hospital do Litoral Alentejano e a GNR de Sines que vai investigar as causas do acidente.

Black Pig conquista ouro em concurso nos Estados Unidos

Segundo avança o Público, o Black Pig foi à luta nos USA Spirits Ratings com meia centena de bebidas de 45 países. Resultado: medalha de ouro, distinção de melhor relação qualidade-preço e melhor embalagem. Outro gin alentejano, um Neighbours31, conquistou prata.

É uma competição recente para espirituosas de todo o mundo e neste que foi o seu terceiro ano, segundo a organização, estiveram em apreciação 586 bebidas espirituosas de 45 países. Para Portugal, o USA Spirits Ratings reservou cinco prémios, quatro deles para a marca Black Pig, produzida com botânicos alentejanos e com destilaria em Santo André. 

O Gin Black Pig Costa Alentejana vale por três das distinções. Em 100 pontos possíveis, o júri de especialistas deu-lhe 99, valendo-lhe a medalha de ouro. Entre os melhores do ano, conseguiu ainda o prémio para melhor relação qualidade-preço e a melhor embalagem.

Outra proposta da marca também ganhou a medalha de ouro, o gin Black Pig Montado Alentejano, que recebeu 90 pontos do painel de avaliação. 

A história da destilaria remonta já a 2007, tendo recebido várias distinções ao longo dos anos. Começou por plantar medronheiros na Costa Alentejana para produzir aguardente de medronho. Depois investiu no gin à Alentejo e também produz, desde 2019, “o primeiro rum da história de Portugal Continental”, sublinha a marca, e que tem por nome Ilha do Pessegueiro. O nome (Porco Preto, em português) não é em vão: a Black Pig Alentejo faz “criação do pata negra em regime extensivo, em pleno montado” e, garante, “em sintonia com árvores autóctones como o sobreiro e medronheiro”.

Museu dedica jornal aos pintores de Sines

O Museu de Sines publica, no âmbito das comemorações do Dia do Município, mais uma edição do seu jornal Redes do Tempo, dedicada aos pintores do mar de Sines.

O número 16 do jornal evoca as figuras de Emmerico Nunes (com testemunhos de Idalina da Conceição e Fátima Bernardo Beja), Nikias Skapinakis, pintor recentemente falecido que nos deixou o óleo “Anoitecer em Sines”, e António Pinto Basto, cujo diário ilustrado documenta uma passagem do rei D. Carlos por Sines.

O jornal conta também com um depoimento de Dom Duarte de Bragança sobre o “excelente exemplo” dado por Sines na preservação da cultura ligada ao mar.

Publicado desde 2009, o jornal “Redes do Tempo” é um registo da memória dos sinienses. Ajuda a completar vazios da história do séc. XX em Sines e a tornar mais nítido o retrato da vida da população em todas as suas dimensões, da lúdica à laboral.

Ministro do Ambiente garante formação a 400 trabalhadores da Central.

Segundo avança o Jornal Económico, o ministro do Ambiente e da Ação Climática (MAAC) afirmou que os cerca de 400 trabalhadores da central termoelétrica de Sines (que tem data prevista de encerramento no início de 2021) são prioridade do Governo afirmando que “estamos a trabalhar para que esses empregos sejam menos acautelados e que as pessoas tenham as formações necessárias para poder ter um outro emprego”.

A afirmação foi dita durante o segundo evento no ciclo de debates “Europa Verde: Rumo à neutralidade climática 2050” que decorreu, ontem, por videoconferência com a participação de Virginijus Sinkevičius, comissário europeu do Ambiente, Oceanos e Pescas e João Pedro Matos Fernandes.

Durante a sessão de perguntas e respostas, que decorreu a seguir à sua intervenção, o ministro argumentou que “o futuro é de mais emprego qualificado” e que os trabalhadores da central de Sines serão alvos de formação para que possam integrar nos projectos de energia solar que estão a ser desenvolvidos.

“Aquilo que estamos a fazer é garantir que Sines continua a ser um polo essencial para a produção de energia, neste caso a partir do hidrogénio, e que todos os projectos a partir de solar que existem com uma proximidade de Sines — que é a cidade do país que mais risco corre com esta transição — são de um número muito maior do que os empregos que poderão estar em risco neste território”, referiu o responsável do Governo pelo ambiente.

“É preciso estarmos atentos aqueles que sofrem sempre mais com a mudança, porque são mais frágeis socialmente ou porque têm menos competências profissionais”, vincou, argumentando que o investimento na sustentabilidade é criador de emprego mais qualificado.

O investimento previsto no projecto industrial de produção de hidrogénio verde em Sines poderá ser superior a 1,5 mil milhões de euros, de acordo com a Estratégia Nacional para o Hidrogénio (EN-H2).

Segundo o documento, trata-se do “projecto âncora de grandes dimensões à escala industrial de produção de hidrogénio verde, focado em alavancar a energia solar, mas também eólica, enquanto factores de competitividade, tirando partido da localização estratégica de Sines”, cujo investimento base previsto “poderá ser superior a 1,5 mil milhões de euros”.

Dia do Município: Sessão solene em directo.

O Município de Sines transmite em directo a Sessão Solene da Assembleia Municipal de Sines Comemorativa do Dia do Município 2020. 

A sessão realiza-se a 24 de novembro de 2020, a partir das 11h00, no auditório do Centro de Artes de Sines, sem público e com a presença exclusiva dos autarcas das forças políticas representadas nos órgãos deliberativo e executivo do Município. 

Todos os utentes infectados da Misericórdia de Sines já recuperaram

Todos os utentes infectados com covid-19 no surto do Lar Pratts, da Misericórdia de Sines, já recuperaram, estando ainda cinco funcionários em confinamento obrigatório, disse hoje à agência Lusa a Autoridade de Saúde Pública local. Dos 64 residentes com resultados positivos nos testes, desde o dia 25 de outubro, altura em que foi detectado o primeiro caso positivo de covid-19, um total de 57 já recuperou da doença, incluindo dois utentes que se encontravam hospitalizados e que regressaram à instituição. O surto de covid-19 nesta instituição infectou 64 utentes e 21 profissionais, tendo seis idosos morrido devido à doença (um outro utente doente acabou por morrer devido a outras causas). “Neste momento não temos utentes positivos, já fizeram os 20 dias, desde o último teste negativo e, por isso, tiveram alta. Quanto aos profissionais, temos ainda cinco trabalhadores que ainda estão em confinamento obrigatório”, avançou a delegada de Saúde de Sines, Fernanda Santos. De acordo com a responsável, os profissionais que testaram negativo “regressaram”, após os 20 dias, à Misericórdia de Sines. “O surto só pode ser declarado oficialmente encerrado 28 dias depois do último caso, ou seja no dia 07 de dezembro, se até lá não tivermos mais casos positivos”, adiantou. À agência Lusa, fonte da Santa Casa da Misericórdia de Sines confirmou que “os utentes que se encontravam na ala covid já regressaram todos aos seus quartos de origem, após desinfecção de todas as áreas, em colaboração com a Protecção Civil, para permitir o regresso em segurança”. “Enquanto não for declarado o fim do surto, as visitas aos residentes vão continuar suspensas”, concluiu. O surto de covid-19 no Lar Prats da Misericórdia de Sines foi identificado em 25 de outubro com os primeiros dois casos de utentes infectados, acabando ambos por falecer no HLA. O concelho de Sines regista 62 casos activos de covid-19, 177 pessoas recuperadas e sete óbitos, de acordo com os dados epidemiológicos actualizados hoje pelo município.

Foto: © Getty

Filme sobre comissões de moradores estreia “online”.

No âmbito das comemorações do Dia do Município 2020, a Câmara Municipal de Sines estreia “online” o filme “Comissões de Moradores de Sines: A Construção da Democracia”, esta terça-feira, 24 de novembro, às 18h00. O documentário foi produzido pela Câmara Municipal de Sines em 2017, integrado no projecto “Comissões de Moradores no Concelho de Sines: da Tradição à Modernidade”, apoiado pelo programa Tradições da EDP. As comissões de moradores foram, no pós-25 de Abril, experiências de democracia nas comunidades. Os seus membros uniram-se, de forma voluntária, para escrever o seu próprio destino. Quando não existia saneamento básico, electrificação, vias de comunicação, espaços de fruição cultural, habitação condigna, foram estes homens e mulheres que, unindo-se, procuraram resolver os seus principais problemas. Foram ainda as comissões de moradores que procuraram preservar a tradição das comunidades rurais cada vez mais depauperadas, através da realização de actividades tradicionais, como os mastros ou os jogos populares, ou da recolha da poesia popular. O filme de homenagem às comissões de moradores do concelho de Sines foi realizado por Diogo Vilhena, produzido por António Campos e baseou-se em investigação histórica de Sandra Patrício e Gonçalo Chinita. Depois de ter sido exibido presencialmente em vários pontos do concelho de Sines, o filme passará agora a poder ser visto a partir de casa.

Disponível apoio às empresas afectadas pela pandemia.

O Governo criou o programa Apoiar.pt, destinado a micro e pequenas empresas que actuem nos sectores mais afectados pelas medidas excepcionais tomadas para mitigação da crise causada pela pandemia de Covid-19. O Apoiar.pt tem uma dotação de 750 milhões de euros e visa apoiar a tesouraria das empresas através da atribuição de subsídios a fundo perdido, dentro dos sectores do alojamento, restauração, actividades de cultura e comércio e serviços abertos ao consumidor com encerramento decretado em março de 2020. As empresas devem apresentar uma quebra superior a 25% na facturação nos primeiros nove meses de 2020 e capitais próprios positivos à data de 31 de janeiro de 2019. A respectiva situação financeira deve estar regularizada junto da Autoridade Tributária, da Segurança Social, da Banca e Sociedade de Garantia Mútua. Para além disso, as empresas têm a obrigação de manter empregos e não podem distribuir lucros ou outros fundos a sócios. O montante do apoio será equivalente a uma percentagem da quebra de faturação nos três primeiros trimestres deste ano, com um limite de 7500€ para as microempresas e 40.000€ para as pequenas empresas, sendo que os pagamentos deste programa deverão ser concretizados na primeira quinzena de dezembro. O Sines Tecnopolo criou ainda uma linha telefónica exclusiva para esclarecer dúvidas aos empresários do Alentejo Litoral acerca destes apoios, que estará disponível através do número 269 000 314, nos dias úteis entre as 9h00 e as 17h00.