Quase todo o país avança hoje para a fase final do desconfinamento.

Ao fim de um dia de ontem marcado por uma longa reunião do Conselho de Ministros, o primeiro-ministro anunciou um conjunto de novidades relativas ao avanço do desconfinamento:

  • A partir de 1 de maio, o país fica em situação de calamidade, deixando de estar em vigor o estado de emergência;
  • Restaurantes, cafés e pastelarias podem funcionar com um máximo de 6 pessoas no interior ou 10 pessoas na esplanada até às 22h30 (quer durante a semana quer ao fim‑de‑semana);
  • Casamentos, baptizados e outras cerimónias com 50% de lotação;
  • Espectáculos culturais até às 22h30;
  • Todas as lojas e centros comerciais até às 21h00 durante a semana e 19h00 aos fins-de-semana e feriados;
  • Ginásios e actividade desportiva retomam actividade normal;
  • Abertura das fronteiras terrestres.

As medidas, porém, não se aplicam a todo o território nacional:

  • Os concelhos de Miranda do Douro, Paredes e Valongo ficam retidos na fase actual (terceira)
  • Quatro concelhos recuam ou mantêm-se na segunda fase: Aljezur, Resende, Carregal do Sal e Portimão;
  • No concelho de Odemira, apenas as freguesias de São Teotónio e Longueira/Almograve se vão manter na fase em que estavam (a primeira fase), bem como sujeitas a uma cerca sanitária. As outras freguesias avançam para a quarta fase.

Bandeira Azul: Praia Vasco da Gama fora da lista.

A ausente da lista das praias distinguidas do concelho de Sines na atribuição da bandeira azul, é a praia Vasco da Gama. O galardão de qualidade balnear foi atribuído este ano, às praias de São Torpes, Morgavel, Vieirinha -Vale de Figueiros, Grande de Porto Côvo, Ilha do Pessegueiro e marina de Sines. Este ano entrou na lista, a praia de Morgavel, que não estava presente em 2020. A bandeira azul é uma distinção atribuída anualmente pela Fundação para a Educação Ambiental (FEE) a praias (marítimas e fluviais) e marinas que cumpram um conjunto de requisitos de qualidade ambiental, segurança, bem-estar, infra-estruturas de apoio, informação aos utentes e sensibilização ambiental. As praias e marinas distinguidas ficam autorizadas a ostentar a bandeira oferecida pela FEE durante a época balnear. Pode, portanto, ser considerada um símbolo de garantia de qualidade de uma praia ou marina.

PCP critica encerramento de Matosinhos e receia por Sines.

O PCP criticou a “opção criminosa” da Galp, de encerrar na refinaria de Matosinhos, Porto, a partir de hoje, responsabilizou o Governo do PS e afirmou recear decisões no futuro sobre o complexo de Sines.

Em comunicado, os comunistas sublinham que a paragem da laboração é um “crime contra os interesses nacionais, de destruição do aparelho produtivo e de emprego qualificado, e de aumento da dependência externa do país”.

Os responsáveis são os accionistas da Galp, “cuja única preocupação é o aumento de lucros e a distribuição de chorudos dividendos”, mas também o Governo do PS, que se “lançou na defesa ideológica do encerramento sem qualquer hesitação”, e “as políticas da União Europeia que têm arrasado parte da capacidade produtiva e industrial do país”.

Esta opção de fecho da refinaria, “a não ser travada”, vai levar “novas medidas de destruição da capacidade produtiva nacional, não sendo de excluir uma nova investida, desta vez sobre a última refinaria que restará ao país, a de Sines”.

Na segunda-feira, a Galp anunciou que a refinaria de Matosinhos deverá parar totalmente no final de abril, arrancando então as operações de desmantelamento e mantendo-se as previsões iniciais de uma poupança anual de 90 milhões de euros com o encerramento.

Foto de Sineense em destaque no National Geographic.

Uma foto do sineense Vítor Seromenho, conhecido também pelas suas inúmeras fotos de extrema beleza do nosso concelho, viu uma das suas fotos ser publicada na edição portuguesa de Maio do conceituado “National Geographic”. A foto, tirada na Praia da Oliveirinha, que chamou a atenção do autor, que afirmou sobre a mesma: “talvez tivesse sido transportado para ali pelas marés, mas imaginei um composição que mostrasse o melhor e o pior da natureza.

Uma chamada de atenção sobre o impacto da poluição no Litoral Alentejano, região que é considerada por muitos, uma das mais belas do país.

Ao autor, os nossos parabéns.

Polémica: Lacerda Machado contratado como consultor do megacentro de dados em Sines enquanto estava na TAP

Diogo Lacerda Machado, advogado que negociou, em nome do primeiro-ministro, os dossiers da TAP e dos lesados do BES, foi contratado, quando ainda era administrador da TAP, como consultor da Pioneer Point Partners — uma das empresas do consórcio que vai investir 3,5 mil milhões de euros num megacentro de processamento de dados em Sines.

A informação é avançada pelo “Novo”. O semanário detalha ainda que Lacerda Machado manteve contactos diretos com vários membros do Governo ao longo dos últimos meses, acerca do empreendimento em Sines.

Contratado pela Pionneer Point Partners em outubro do ano passado, Lacerda Machado acumulou o cargo de consultor nessa empresa com o de administrador não executivo da TAP pelo menos durante seis meses, já que só se demitiu da companhia aérea em março deste ano.

Contactado pelo jornal, Lacerda Machado confirmou o cargo de consultor, mas recusou dizer desde quando é que começou a ser remunerado pelos seus serviços de consultoria.

A Start Campus, uma empresa detida pelos norte-americanos da Davidson Kempner e pelos britânicos da Pioneer Point Partners, vai investir 3,5 mil milhões de euros para criar um campus apelidado de “Hyperscaler Data Centre”, em Sines. Segundo o Novo, Lacerda Machado terá exercido a sua influência, já como consultor, junto de membros do Governo para impulsionar o projeto, como os secretários de Estado Eurico brilhante Dias, João Galamba, Hugo Santos Mendes, o autarca de Sines, Nuno Mascarenhas, o presidente da CDDR do Alentejo, António Ceia da Silva, e com representantes da AICEP.

Contentores crescem 31,38 mil TEU com “influência decisiva” do Porto de Sines.

Segundo avança a “Cargo”, os dois primeiros meses de 2021, os portos do Continente movimentaram 5,4 milhões de toneladas no segmento dos Contentores, um registo que espelhou um crescimento homólogo de +10,8%. Em termos de TEU, este acréscimo fixou-se nos +31,38 mil TEU entre Janeiro e Fevereiro, traduzindo-se numa variação positiva de 7,2% face ao mesmo período de 2020. O Porto de Sines foi decisivo para este resultado.

Assim, explicou a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) no seu relatório – que compila e analisa os dados da movimentação de carga nos dois primeiros meses do ano – esta subida de 7,2% em termos de TEU contou com a «decisiva influência do Porto de Sines». A infra-estrutura portuária alentejana denotou um aumento de +41,36 mil TEU (+17%) face ao período homólogo, para um volume que representa 60,9% do total.

Para além de do Porto de Sines, apenas o Porto de Setúbal registou uma variação positiva no volume de TEU movimentado neste dois primeiros meses do ano, observando um acréscimo de +1,7 mil TEU (+8,6%). Das variações negativas assinaladas nos restantes portos, «a mais expressiva regista-se em Lisboa, com -6,5 mil TEU (-11,1%), seguida por Leixões, com -4,7 mil TEU (-4,2%) e Figueira da Foz, com -442 TEU (-15,6%)».

No que concerne ao movimento de contentores registado no Porto de Sines, importa sublinhar «a importância do tráfego de transhipment, que representou uma quota de 71,9% do volume total do porto e 43,7% do total dos portos do Continente, após registo de um acréscimo homólogo de +28,7%», explicita a AMT no seu relatório. No período em análise o comportamento positivo do tráfego de transhipment não foi acompanhado pelo tráfego com o hinterland, que, pela primeira vez desde 2012, observa um decréscimo face ao período homólogo do ano anterior, ao recuar –5,1%.

A quota atingida pelo Porto de Sines neste período Janeiro-Fevereiro ultrapassa a homóloga de 2020 em +5,1 pontos percentuais (pp), mas encontra–se a –1,1 pp à sua quota máxima registada no ano de 2017. O movimento de TEU efectuado no Porto de Leixões confere–lhe a segunda posição, representando 22,9% do total (–2,7 pp), seguindo–se Lisboa com 11,2% (–2,3 pp), Setúbal com 4,6% e a Figueira da Foz com 0,5%.

Burguer King inaugurado hoje em Sines

Dando continuidade ao seu plano de expansão no mercado português, o Burger King inaugura o seu primeiro restaurante no concelho de Sines pela mão da RBI.  Este espaço é o 139º restaurante da marca em Portugal e vem reforçar a sua presença no distrito de Setúbal onde já conta com 9 restaurantes. A abertura do Burger King em Sines representa 25 novos postos de trabalho diretos.

O Burger King de Sines está localizado no Loteamento Municipal a Norte da R52, Lote 8 e oferece mais de 300m2. Atualmente o restaurante funciona de segunda a sexta das 11h30 às 22h30 e aos sábados e domingos das 11h30 às 13h00. O Drive funciona de segunda a sexta das 11h30 às 23h00 e aos sábados até às 00h. O serviço de Take Away funciona todos os dias das 11h30 às 22h30.

O restaurante Burger King de Sines oferece um sistema de refill de bebidas, quiosques de pré-order e wifi gratuito e está a operar actualmente com os serviços de Home Delivery, Take Away e Drive Thru e seguindo rigorosamente o Plano Mais Seguro do que Nunca – um plano integral de segurança e higiene desenhado para garantir a segurança de colaboradores e clientes. Este plano, que segue todas as indicações da DGS, integra um conjunto de medidas de segurança e higiene sem precedentes e está a ser implementado em todos os restaurantes da marca em território nacional. Todos os colaboradores usam máscara e são alvo de medição de temperatura corporal no início do turno. Adicionalmente, todos aqueles que trabalhem nos postos de atendimento ao cliente usarão também luvas e viseira, para além da máscara.

Embaixadora de Espanha visita Sines

A Embaixadora de Espanha em Portugal, Marta Betanzos, realizou, dia 28 de abril, uma visita ao concelho de Sines. A Embaixadora foi recebida nos Paços do Concelho pelo presidente da Câmara, Nuno Mascarenhas.

A deslocação teve como propósito uma visita ao porto de Sines e à Zona Industrial de Sines gerida pela AICEP, Global Parques.

A visita foi acompanhada pelo conselheiro do Gabinete Económico e Comercial da Embaixada, o presidente de Extremadura Avante, a directora geral de acção exterior da Junta de Extremadura e a delegada de Extremadura em Lisboa.

Portugal avança para a próxima fase de desconfinamento.

A quarta fase de desconfinamento está pronta para avançar e vai ser, como está planeado pelo Governo, a partir do dia 3 de maio, segundo avança o Observador. A análise exposta ontem pelos especialistas, na reunião no Infarmed que fez o ponto de situação à Covid-19 no país, deixou os decisores políticos confortáveis para darem o passo que se segue. Mas as reuniões com peritos não vão deixar de existir quinzenalmente, segundo apurou o Observador junto do Governo, mesmo com o fim do estado de emergência, e o país em situação de calamidade, como o Governo está preparado para decretar.

A 11 de março, quando o primeiro-ministro apresentou o plano de desconfinamento para os meses seguinte previa que a quarta e última fase acontecesse na próxima segunda-feira e é isso mesmo que o Governo se preparar para fazer, soube o Observador por fonte do Executivo. Assim, a partir de 3 de maio, os restaurante, cafés e pastelarias deixam de ter limites de horários e passam a poder ter grupos de seis pessoas à mesma mesa, no interior, e 10, em esplanada, por exemplo.

Ficam também desconfinadas todas as actividades desportivas, já que na última fase tinham apenas sido libertadas aquelas que se incluam na lista de modalidades de médio risco. Depois destas, faltava ainda que pudesse voltar a ser praticadas modalidades de alto risco, ou seja, as artes marciais chinesas, a dança desportiva, ginástica acrobática, judo, ju-jitsu, karaté, kickboxing e muayatahi, lutas amadores, patinagem artística de pares, polo aquático e râguebi.

Passa também a ser possível praticar actividade física ao ar livre, sem limites para grupos acima de seis pessoas (como existe actualmente) e nos ginásios (onde ainda não era possível fazer aulas de grupo). Além disso, vão ainda ser desconfinados os grandes eventos exteriores, sem exigências sobre a redução da lotação que ainda existe e que, a partir de segunda, só vai manter-se para os eventos interiores.

Outra das medidas que entrará também em vigor no início da próxima semana é o aumento da lotação para os grandes eventos, como casamentos e batizados, que vão poder passar a ocupar 50% dos recintos onde se realizem, em vez dos atuais 25%.

As medidas sobre a próxima fase de desconfinamento serão fechadas na próxima quinta-feira, na reunião do Conselho de Ministros que se segue à reunião de especialistas desta terça-feira, com o Governo a considerar que deve manter-se algum grau de cobertura legal para poder agir ao nível dos concelhos de maior risco, que podem ter de ficar numa das fases de desconfinamento anterior.

OBA reforça também a importância entre Porto de Sines e Aeroporto de Beja.

O Observatório do Baixo Alentejo (OBA) defende que o aeroporto de Beja seja cada vez mais encarado como “o epicentro do desenvolvimento regional”, a par dos investimentos e da dinâmica global do Porto de Sines.

A posição do OBA surge depois dos seus responsáveis terem, na passada semana, reunido com o director do aeroporto de Beja, onde apresentaram a sua “visão” para o desenvolvimento do projecto da infraestrutura e da sua potencialidade “para a coesão económica e territorial da região”.

“Desta reunião destaca-se a necessidade de reforçar um discurso positivo em torno deste projecto, que viabilize soluções e investimentos privados e que posicione o aeroporto de Beja para as vertentes da indústria aeronáutica, da logística e também de voos de passageiros e de carga, capazes de criar emprego, fixar e atrair população e de dinamizar a economia regional e nacional”, afirma o OBA.

De acordo com o Observatório, esta visão, “assumida na estratégia da ANA, reforça ainda mais a ideia defendida pelo OBA, colocando o aeroporto de Beja como o epicentro do desenvolvimento regional a par com os investimentos e com a dinâmica global do Porto de Sines”.