Portugueses usaram menos a máscara nas últimas semanas.

Os portugueses utilizaram menos a máscara de protecção contra a covid-19 nas semanas que coincidiram com o Natal e o Ano Novo, segundo um estudo divulgado ontem, pela Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Universidade Nova de Lisboa.

Os números foram também apresentados pela directora da ENSP, Carla Nunes, na reunião no Infarmed entre políticos, epidemiologistas e especialistas em saúde pública sobre a evolução da pandemia, na qual observou que “o número de pessoas que reporta utilizar ‘sempre’ a máscara quando sai de casa e está com outras pessoas que não vivem consigo diminui 10,4% nas últimas duas quinzenas”, passando de 86,7% na quinzena de 28 novembro a 11 de dezembro para 76,3% na quinzena entre 26 de dezembro e 08 de janeiro.

Além deste dado, o estudo sobre as percepções sociais em relação à covid-19 evidenciou que na última quinzena houve 60% das pessoas que estiveram num grupo com 10 ou mais pessoas que revelaram não ter tido sempre a máscara colocada no rosto, o que se traduz num crescimento de 33,6%.

Além deste dado, o estudo sobre as percepções sociais em relação à covid-19 evidenciou que na última quinzena houve 60% das pessoas que estiveram num grupo com 10 ou mais pessoas que revelaram não ter tido sempre a máscara colocada no rosto, o que se traduz num crescimento de 33,6%.

Os dados dizem respeito a 528 respostas recolhidas entre 12 dezembro de 2020 e 08 de janeiro deste ano.

CGTP defende nacionalização da GALP

“Se a administração da Galp não reverter esta decisão [de fechar a refinaria e concentrar tudo em Sines], o Governo tem o poder de voltar a chamar ao Estado esta empresa que tem um enorme interesse para o desenvolvimento económico nacional”, disse a sindicalista aos jornalistas, à margem de uma acção de protesto. A Galp vai concentrar as suas operações de refinação e desenvolvimentos futuros no complexo de Sines e descontinuar a refinação em Matosinhos este ano. Esta decisão, anunciada a 21 de dezembro de 2020, põe em causa 500 postos de trabalho diretos e 1.000 indiretos. Isabel Camarinha lembrou que a Galp já foi pública e foi privatizada, estando agora “à vista” o resultado dessa privatização. “O Governo tem grande responsabilidade em tudo isto porque é o segundo maior acionista e é o Governo de Portugal, logo tem de defender os interesses nacionais”, frisou. Além disso, Isabel Camarinha alertou não serem apenas 1.500 postos de trabalho que estão em causa, mas “muito mais” porque há negócios que dependem da refinaria. A secretária-geral da CGTP aproveitou ainda para criticar a administração da empresa por não ter falado com os trabalhadores, demonstrando uma “total falta de respeito” para com eles. Para Isabel Camarinha, não é o ambiente que está na base desta decisão, mas o “interesse dos lucros dos acionistas”, situação que entende não poder ser aceite pelo Governo. “Não há justificação nenhuma [para o encerramento], a empresa distribuiu 500 milhões de euros em dividendos em maio passado pelos seus acionistas, a situação da empresa é boa”, considerou. A pandemia da covid-19 não vai durar “para sempre”, entendeu a sindicalista, reforçando que “brevemente” Portugal voltará a ter os níveis de consumo do passado. “Vamos ter de ir comprar a Espanha o nosso combustível, não vamos ter condições, Sines não vai garantir tudo o que é necessário”, alertou. A 30 de dezembro, e numa reunião pública do executivo municipal de Matosinhos, o responsável pela refinaria, José Silva, garantiu que a decisão de encerrar “está tomada e fechada”. Esta decisão irá reforçar a posição de Sines como principal ponto de refinação do país. O Estado é um dos acionistas da Galp, com uma participação de 7%, através da Parpública.

Foto: © Global Imagens

Governo admite pagar 10% da fatura da luz a todas as famílias até final do confinamento.

O Governo admite pagar cerca de 10% das facturas da electricidade de todas as famílias portuguesas até ao final do novo confinamento que arranca na quinta-feira. A medida extraordinária – cujos detalhes foram avançados esta terça-feira pelo Expresso, citando fontes do ministério do Ambiente – tem efeitos desde 1 de janeiro e deverá ter um custo estimado de 20 a 25 milhões de euros por mês.

O financiamento de 10% da factura eléctrica deverá assim beneficiar todos os cerca de seis milhões de consumidores doméstico, estejam no mercado liberalizado ou regulado. Abrangerá também as mais de 700 mil famílias que têm já direito a um desconto da ordem dos 33% por estarem na tarifa social. A medida, que ainda não se sabe como será financiada, permitirá assim contrariar o efeito que a subida do consumo teria no valor facturado em janeiro, mês em que os preços da electricidade até vão baixar e no qual já são vão fazer sentir os impactos da baixa do IVA até determinados níveis de consumo que entrou em vigor em dezembro.

Confinamento de um mês é consensual diz Costa.

O primeiro-ministro insiste que procura tomar medidas tendo em conta a realidade e sabe que no Natal houve menos testes. E justifica um confinamento geral de um mês porque as medidas demoram duas a três semanas a produzir efeitos positivos.

Esclarece que tem feito um esforço grande para tomar decisões com base no melhor entendimento científico disponível e nem sempre os cientista convergem. “O decisor político não vai poder tomar a decisão com base no que disseram os especialistas” e que terá de usar a sua “própria inteligência e perceção” e que vai ouvir diretores de escolas e associações de pais, já que existe uma divergência entre cientistas.

Costa diz que escola é só “mais um factor de movimentação” e “não é em si um foco de infeçcão.

Sobre os números, o primeiro-ministro diz que a “perceção do risco tem vindo a diminuir e o uso de máscaras tem vindo a diminuir” e alerta que “todas as medidas de prevenção são uma arma imprescindível”.

Gasóleo desce e gasolina aumenta.

O preço do gasóleo simples em Portugal deverá descer dois cêntimos para os 1,248 euros por litro, o que acontece pela primeira vez em nove semanas.

O preço da gasolina simples 95 deverá aumentar cerca de dois cêntimos para os 1,443 euros – esta é a décima semana consecutiva em que este ativo sobe.

A diferença entre gasóleo e gasolina passa a ser de cerca de 20 cêntimos, a maior desde 2019.

Covid-19. Apoios extraordinários chegaram a 2,4 milhões de pessoas.

Os apoios extraordinários criados no âmbito da pandemia da covid-19 chegaram a 2,4 milhões de pessoas. As contas são do Ministério do Trabalho e da Segurança Social.  “2446 milhões de euros, incluindo isenções contributivas, foi o valor total pago até à data nos vários apoios extraordinários que criámos para apoiar os portugueses e as empresas no combate à pandemia Covid-19”, disse no Twitter.

De acordo com o Ministério de Ana Mendes Godinho, contabilizam-se ainda 152 mil empresas com apoios pagos, de acordo com a tutela. 

Recorde-se que, na quinta-feira, o Governo aprovou o prolongamento do apoio extraordinário à retoma progressiva para empresas em situação de crise empresarial até ao dia 30 de junho de 2021. Além disso, foi também aprovada a criação de um apoio simplificado para microempresas em situação de crise empresarial.

Obra do Centro de Dia de Porto Covo decorre a bom ritmo.

O presidente da Câmara Municipal de Sines, Nuno Mascarenhas, e o vereador José Arsénio visitaram a obra do Centro de Dia de Porto Covo, cujos trabalhos estão a decorrer de acordo com o programado.

Iniciada em julho de 2020, a empreitada, com um prazo de execução contratual de 360 dias, deverá estar concluída no verão de 2021.

O novo Centro de Dia de Porto Covo fica localizado num lote de terreno a poente do pavilhão multiusos da freguesia.

Esta obra vai permitir a substituição das instalações provisórias em que o equipamento funciona há vários anos por um equipamento com as condições exigidas para servir a população idosa de Porto Covo.

O presidente da Câmara, que classifica esta obra como um “um dos investimentos na área social mais importantes para Porto Covo e para o concelho”, ficou satisfeito com a evolução dos trabalhos.

“Já não falta muito para que Porto Covo tenha um centro de dia em instalações definitivas e de qualidade, com o conforto e o nível de serviços que os idosos da freguesia merecem.”

A operação do Centro de Dia de Porto Covo é um investimento de 910 625 €, do qual o montante de 413 803,68 € é elegível para cofinanciamento à taxa de 85% por fundos FEDER / União Europeia, no âmbito do programa operacional Alentejo 2020 / Portugal 2020, o que se traduz numa contribuição comunitária de 351 733,13 €.

Informações sobre as Eleições Presidenciais 2021

As Eleições Presidenciais realizam-se a 24 de janeiro de 2021.

Covid-19: Votar em Segurança

No exercício do direito de voto, os eleitores devem seguir todas as recomendações e orientações das Autoridades de Saúde, bem como da autoridade eleitoral.

Assim, para votar em segurança, devem:

  • Utilizar máscara de forma adequada;
  • Manter o afastamento recomendado, enquanto aguarda a sua vez para votar;
  • Desinfectar as mãos antes de votar;
  • Utilizar de preferência uma caneta própria para votar;
  • Desinfectar as mãos depois de votar e antes de sair do local de votação.

Os eleitores devem seguir os circuitos definidos e identificados nos edifícios, o cumprimento da higiene das mãos e da etiqueta respiratória (tossir para a parte interna do cotovelo, mesmo quando estiver a usar máscara) e não tossir ou espirrar para as mãos, evitando contactos físicos, permanecendo no local somente o tempo necessário para poder exercer o seu direito de voto.

Novo confinamento geral deverá cancelar todos os festejos de Carnaval.

Já era óbvio que não se veria em 2021 as imagens que marcam os carnavais dos últimos anos. Ficou decidido já em setembro, que este ano não haveria desfiles carnavalescos na região centro do país.

Dentro das limitações e regras impostas pela DGS, ainda estavam previstas algumas iniciativas, por exemplo, em Ovar e Estarreja. Mas, com um confinamento geral à espreita, não há planos que resistam.

Todos os anos, os dois municípios investem tempo e dinheiro nos festejos carnavalescos. Ovar gasta 700 mil euros, Estarreja 500 mil.

O Carnaval de Ovar costuma concentrar mais de 300 mil pessoas nos 4 dias, Estarreja chama cerca de 40 mil visitantes.

No final desta semana, as organizações carnavalescas vão reunir-se e tomar a decisão final. Definir em que moldes pode ou não se pode afinal assinalar, e não festejar, o Carnaval de 2021.

Covid-19: Confinamento geral deverá durar mais de 15 dias.

De acordo com o Público, o novo confinamento entrará em vigor às 00:00 da próxima quinta-feira.

As medidas relativas ao novo confinamento geral só deverão ser conhecidas a meio da próxima semana, mas o Público avança que deverá entrar em vigor a partir de quinta-feira e que irá durar mais de 15 dias.

O Presidente da República defende que não há outra alternativa a não ser voltar a fechar o país.

Marcelo Rebelo assumiu ainda a responsabilidade do fracasso das medidas tomadas no Natal, quando foi permitida a circulação entre concelhos e o horário do recolher obrigatório foi alargado.

Um alívio das medidas que pode ter custado os cerca de 10 mil casos de covid-19 diários registados durante a última semana.

Este aumento não deixou outro caminho ao Governo a não ser voltar a fechar o país. A situação será semelhante à que aconteceu no início da pandemia, o que pode significar que restaurantes e comércio não-alimentar voltem a estar entre as atividades mais afetadas.

O Governo pode nem esperar pelo próximo estado de emergência e antes de dia 15 avançar. De acordo com o Jornal Público, o novo confinamento entrará em vigor às 00:00 da próxima quinta-feira.

Segundo o jornal, o período de paralisação irá durar mais de 15 dias e as deslocações serão restringidas ao essencial, sendo permitidas apenas no dia das Presidenciais para o exercício do direito de voto