Pescador lúdico morre em queda de falésia com 20 metros em Porto Covo

Segundo avança o Jornal de Noticias, um homem de 77 anos morreu depois de cair de uma falésia com uma altura de cerca de 20 metros em Porto Covo. Não há indícios de crime, apurou o JN junto da Polícia Marítima de Sines, razão pela qual a Polícia Judiciária não foi acionada para investigar. O pescador lúdico, natural de Mora, tinha saído sozinho de casa na tarde de segunda-feira, pelas 17 horas, e foi a mulher que deu às autoridades o alerta para o desaparecimento, cerca das cinco horas da madrugada desta terça-feira. O homem terá escorregado quando se encontrava na falésia junto à praia do Cerro da Águia. As autoridades deslocaram-se ao local e encontraram o corpo da vítima no areal, numa zona de difícil acesso. No topo da falésia, estavam os apetrechos de pesca que pertenciam ao homem.

A Polícia Marítima de Sines foi então accionada, às 6.40 horas, e fez deslocar ao local meios para remover o corpo por via marítima, já que por terra era impossível. O corpo foi retirado por agentes da Polícia Marítima numa mota de água e posteriormente colocado na embarcação semirrígida salva vidas de Sines.

O homem de 77 anos foi transportado sem sinais de vida para o porto de recreio de Sines, onde o delegado de saúde local confirmou o óbito. Aqui, os bombeiros de Sines fizeram o transporte para a morgue do Hospital do Litoral Alentejano.

A vítima mortal, residente em Mora, Évora, costumava passar férias em Porto Covo com a mulher.

Foto: Arquivo Global Imagens

Manifesto que junta 80 empresas europeias apela a aposta no hidrogénio verde

Mais de 80 entidades assinaram na passada quarta-feira o Manifesto pelo Hidrogénio Verde, apresentado no Green Hydrogen Forum do Smarter E Europe 2021 Restart, evento do sector da energia europeu, que decorreu até ontem, em Munique. A Galp, uma das signatárias, comprometeu-se a implementar na sua refinaria de Sines um parque de energia verde com a instalação gradual de capacidade de eletrólise que deverá atingir 100 MW (megawatts) em 2025 e entre 600 MW e 1 GW em 2030. O manifesto aponta 12 acções que os decisores políticos europeus devem tomar para manter o Velho Continente na vanguarda do desenvolvimento de projectos de produção de hidrogénio a partir de fontes de energia renovável, explica a Galp em comunicado. O manifesto, promovido pela Hydrogen Europe, a Associação Alemã do Hidrogénio (DWV), a The Smarter E, e o Fórum Europeu dos Eletrolisadores e Células de Combustível (EFCF), inclui medidas como regras de avaliação e comparação dos diversos tipos de hidrogénio em função das suas emissões de CO2, apoios que reduzam os custos para os consumidores finais, e a adopção de regulamentação específica, modalidades equilibradas de definição de preços de mercado ou o apoio à criação de redes de distribuição nacionais.

Teatro: Peça da Companhia Francesa Collectif 2222 no CAS

No âmbito da mostra Litoral EmCena, a companha francesa Collectif 2222 apresenta o espectáculo “Pourquoi les vieux, qui n’ont rien à faire.. traversent-ils au feu rouge” (Porque será que os velhos, que não têm nada para fazer… atravessam o semáforo no vermelho?), no dia 23 de outubro, às 21h30, no auditório do Centro de Artes de Sines.Na sinopse do espectáculo, lê-se:”Uma manhã, num lar de idosos, morre um velhinho. Um outro chega. É a rotina.Os jogos de cartas continuam, assim como os exercícios desportivos e de memória. Hoje, festeja-se o aniversário da centenária. Envelhecidos e desgastados, procuram dar sentido à sua existência no convívio e nas actividades de grupo da instituição. Mas para uma velhinha isso já não é possível. Finita la commedia, ela já não tem vontade de representar. O pessoal auxiliar e colegas dão-lhe forças diariamente. Que diabo! A vida é sagrada. Pouco lhe importa, a pequena senhora, quer é acabar com os seus dias.”Entre o burlesco e o drama, este espetáculo questiona a velhice e o final da vida. Com subtileza, o colectivo questiona os tabus à volta da terceira idade e procura pelo humor e a técnica da máscara falar da intimidade e daquilo que faz com que sejamos crianças ou velhos, seres autónomos capazes de fazer escolhas. A encenação do espectáculo é de Thylda Barès. O elenco é composto por Victor Barrère (França), Andrea Boeryd (Suécia), Paul Colom (França), Elizabeth Margereson (Inglaterra), Ulima Ortiz (Colombia) e Tibor Radvanyi (França).Com 70 minutos de duração, o espectáculo está classificado para maiores de 6 anos.A venda de bilhetes decorre na semana do espectáculo, sendo o seu custo de 5 euros para o público em geral e 3 euros para sócios da AJAGATO, jovens até aos 18 e pessoas com mais de 65 anos.A realização do espectáculo decorre de acordo com as orientações da Direcção-Geral de Saúde em vigor.

Exemplar inédito de carapau com cor laranja encontrado ao largo de Sines

Investigadores do Instituto Politécnico de Leiria anunciaram esta quinta-feira a descoberta inédita, ao largo de Sines, de um carapau com cor laranja, uma anomalia genética conhecida em outros peixes, mas registada pela primeira vez nas mais de cem espécies de carapau

“Trata-se de uma anomalia genética semelhante ao albinismo, que se designa por ‘xantismo’ e que se caracteriza pela ausência ou inibição de células responsáveis pela pigmentação escura (melanóforos), dando lugar a outras, responsáveis por pigmentação amarela (xantóforos)”, explicou o biólogo Nuno Vasco Rodrigues à agência Lusa.

O fenómeno já tinha sido registado em algumas espécies de peixe, apresentando parte ou todo o dorso numa coloração alaranjada, mas foi agora registado, pela primeira vez em todo o mundo, num exemplar de ‘Trachurus mediterraneus’, uma das mais de cem espécies de carapau existentes.

Neste caso, o dorso do carapau é todo alaranjado, sendo por isso um caso de xantismo total.

Nuno Vasco Rodrigues explicou que “por os carapaus serem peixes oceânicos pelágicos (vivem em água aberta e não junto ao fundo) e serem presa habitual de outros peixes, apresentam uma zona dorsal escura, para se confundirem com o fundo do mar e não serem detetados pelos predadores e presas quando vistos de cima, e a zona ventral clara, sendo difícil a deteção quando observados por baixo (confundindo-se com a luz vinda da superfície)”.

Peixes xânticos são conhecidos em ambientes controlados, como é o caso da aquacultura, onde não há predadores e a probabilidade de sobrevivência é maior, e o biólogo apontou que “essa condição pode ser mais frequente do que se pensa, mas os exemplares de cor laranja são muito cedo predados e não sobrevivem”.

O carapau laranja surgiu em capturas efetuadas em 2018 por pescadores de Sines e foi dado a conhecer aos investigadores.

O estudo dos biólogos Nuno Vasco Rodrigues, Frederico Almada, do Instituto Politécnico de Leiria, e Simão Santos, do Oceanário de Lisboa, foi submetido à revista científica ‘Cahiers de Biologie Marine’ e já foi aceite, aguardando-se a sua publicação em novembro.

Novos Eleitos Municipais tomam posse a 9 de Outubro.

Na sequência do acto eleitoral autárquico realizado no dia 26 de setembro, os órgãos do município de Sines – Câmara e Assembleia – para o mandato 2021-2025 são instalados no dia 9 de outubro, sábado, às 15h00, no auditório do Centro de Artes de Sines.Na Câmara Municipal de Sines tomam posse o presidente Nuno Mascarenhas (PS) e os vereadores António Braz (MaiSines), Fernando Ramos (PS), Filipa Faria (PS), Jaime Cáceres (CDU), Gonçalo Naves (MaiSines) e José Arsénio (PS). Na Assembleia Municipal de Sines tomam posse os 21 deputados eleitos directamente (11 do PS, 6 do MaiSines e 4 da CDU) e os presidentes da Juntas de Freguesia de Sines e Porto Covo.Após a tomada de posse dos membros da Assembleia Municipal, realiza-se a eleição do respectivo presidente e mesa. A instalação dos órgãos autárquicos decorrerá de acordo com as orientações da Direcção-Geral de Saúde, com lotação limitada e uso obrigatório de máscara.A cerimónia poderá ser acompanhada, em directo, em youtube.com/cmsines e no site do município (sines.pt).

Estudo. 8 em cada 10 profissionais acham que trabalho remoto aumenta produtividade

Oito em cada 10 profissionais portugueses dizem que a sua produtividade é potenciada em regime remoto. As conclusões divulgadas esta quarta-feira são do estudo “De Regresso ao Trabalho” do ManpowerGroup.Este estudo, que inquiriu 185 profissionais a nível nacional, revela que existe uma tendência para adotar o modelo de teletrabalho, no período após as férias: 64% do total de inquiridos dizem estar a laborar através deste modelo e 79% referem que este regime melhora a sua produtividade, sendo que entre aqueles que referiram estar fora do escritório, o valor relativo à melhoria da produtividade sobe para os 92%, o que revela a preferência por este tipo de regime.”Os modelos de trabalho a adotar são, cada vez mais, uma preocupação das organizações e do mercado de trabalho, numa decisão que claramente é condicionada pelo setor em que a organização se insere ou pelo tipo de funções a exercer, mas que tem um impacto crescente na sua capacidade de atração de talento”, explica Rui Teixeira, Chief Operations Officer do ManpowerGroup Portugal, em comunicado.“Percebemos, através do presente estudo, que os modelos de teletrabalho, em formato remoto ou híbrido, estão cada vez mais presentes, sendo bem valorizados pelos trabalhadores, que não querem perder a flexibilidade adquirida durante a pandemia. As organizações devem ir ao encontro destas suas preferências, e apostar em modelos que promovam a flexibilidade de horários e de locais de trabalho , mas também outros incentivos que incentivem a autonomia e a conciliação entre trabalho e vida pessoal. Só assim poderão desenvolver uma proposta de valor única que as torne mais competitivas no atual contexto de escassez de talento”, defende.Os dados do estudo indicam ainda que, apesar de 98% dos inquiridos trabalharem a partir do seu local de residência habitual, 62% aspiram a poder prolongar a sua estância no local de férias e permanecer aí em teletrabalho.No que diz respeito à cidade preferencial para exercerem as suas funções, 32% dos inquiridos apontaram Lisboa como local de eleição e 12% o Porto, bem como locais junto à zona costeira, com 16% dos respondentes a indicar Faro e 11% Setúbal.A flexibilidade de horário e opções de teletrabalho são as propostas de valor mais valorizadas pelos trabalhadores.

Faleceu António Sales, “Tonecas”, figura histórica do Vasco da Gama Atlético Clube

O Vasco da Gama Atlético Clube anunciou na sua página de Facebook, o seu “mais sentido voto de pesar pelo falecimento de uma figura histórica desta casa.” “António Henriques Correia Sales, para sempre imortalizado como o Nosso “Tonecas”, melhor marcador da história desta Instituição de 1966 a 2018.”

O clube perde assim mais uma das figuras históricas que ajudaram a construir a história do Vasco da Gama Atlético Clube. “Tonecas” foi homenageado pelo Clube em 2018 e agraciado com o troféu de melhor marcador do clube durante 52 anos.

O Notícias de Sines presta a homenagem e condolências à família, amigos e ao Vasco da Gama Atlético Clube pela enorme perda.

Abertas inscrições para programa “Desporto é Vida”

A Câmara Municipal de Sines informou que o programa “Desporto é Vida + 55 Anos” irá abrir as renovações de matrícula para a época 2021/2022.  Todos os alunos inscritos no programa na época 2019/2020 serão contactados pelos serviços municipais durante o mês de outubro a fim de saber o interesse em renovar a matrícula. As novas inscrições serão realizadas a partir de 1 de novembro.Tanto as renovações como as inscrições são limitadas às vagas existentes nas turmas.Para mais informações, contactar o Pavilhão dos Desportos pelo telefone 269 630 698 ou pelo email desporto@mun-sines.pt

Uma semana a olhar a Saúde Mental em Sines

No âmbito da iniciativa “Encaixa a Mente – Olhar a Saúde Mental”, realiza-se em Sines, de 11 a 15 de outubro, um conjunto de actividades presenciais com abordagens a esta temática.Trata-se de uma iniciativa do grupo de trabalho da Rede Social de Sines sobre saúde mental, com coordenação do CLDS 4G – Viver+Sines e apoio da Câmara Municipal de Sines. As inscrições são limitadas.

Programa – 11 de outubro
Encaixa esta abordagem: uma visão sistémica – Acácio Santos e Soraia Queijo14h30 às 16h30 | Cafetaria do Centro de Artes de Sines  

Programa – 12 de outubro
Encaixa a Musica(mente) – Workshop de Musicoterapia – Ana Rita Candeias 10h00 às 11h30 | 11h30 às 13h00 | Escola das Artes do Alentejo Litoral

Encaixar o outro em mim: prevenção do desgaste psicológico na relação profissional – Gisela Santos14h30 às 16h30 | Cafetaria do Centro de Artes de Sines

Programa – 13 de outubro
Encaixa este caminho: Contextualização sobre as questões de saúde mental em Portugal nos últimos anos | Dr. Luiz Gamito e Dr.ª Ana Matos Pires11h30 | Cafetaria do Centro de Artes de Sines

Programa – 14 de outubro
DesEncaixa: a importância de uma abordagem multidisciplinar em Saúde Mental 11h00 às 12h30 | Cafetaria do Centro de Artes de Sines

Encaixa tecnicamente – dinamização de um grupo de intervisão | Dr.ª Denise Gonçalves e Dina Somsen 14h30 às 17h30 | Cafetaria do Centro de Artes de Sines

Programa –  15 de outubro
Encaixar a Arte: Workshop dinamizado pelo Teatro do Mar 14h30 | Pátio das Artes

Espectáculo “DoNoDoNaDa” apresenta-se em Sines

“DoNoDoNaDa” revela com humor e ironia que os seres humanos perdem demasiado tempo a lutar para ganhar e esquecem-se completamente que o que é bom mesmo… é brincar.

O espectáculo “DoNoDoNaDa”, da Companhia Certa (Póvoa do Varzim), chega esta semana e apresenta-se esta quinta-feira, 7 de Outubro, em Sines, no auditório do Centro de Artes de Sines.

Num espectáculo físico e gestual destinado a todo o público, a partir dos 3 anos, os personagens, interpretados pelos actores Eduardo Faria, Joana Luna e Joana Soares, “contam” sem palavras uma parábola, inspirados no cinema mudo de Charlie Chaplin e Buster Keaton.

Dentro de uma atmosfera lúdica criada a partir de um dispositivo cénico feito de madeira, cartão e papel, os personagens perdem-se  num remoinho de situações divertidas que nos remetem ao mundo em que vivemos para tentar  conhecê-lo melhor.

“DoNoDoNaDa” revela com humor e ironia que os seres humanos perdem demasiado tempo a lutar  para ganhar e esquecem-se completamente que o que é bom mesmo… é brincar.

Criado e encenado por Gonçalo Guerreiro, este espectáculo aborda de forma lúdica uma questão sobre a qual vale sempre a pena reflectir: “Se tão rápido a vida passa porque será que a gente passa a vida a querer ter muito quando finalmente não é preciso quase nada?”.

Os bilhetes terão um custo de 5 euros para o público geral e de 3 euros para sócios AJAGATO, para maiores de 65 anos e para menores de 18.

As reservas, para Sines, poderão ser feitas para o contacto telefónico 269 860 080

Ficha Técnica e Artística

Criação e encenação: Gonçalo Guerreiro | Interpretação: Eduardo Faria | Joana Luna | Joana Soares Criação musical: Paulo Lemos | Cenografia: Gonçalo Guerreiro | Figurinos: Gonçalo Guerreiro e Joana Soares Desenho de Luz: Gonçalo Guerreiro e José Raposo | Assistente de Cenografia: Hugo Carvalho Confecção de Figurinos: Adélia Agra | Fotografia: José Carlos Marques | Vídeo: João Rei Lima – www.jworks.pt Formação em Contexto de Trabalho: Teresa Pinhão em parceria com a JOBRA

Produção Executiva: Joana de Sousa