Covid-19: Alentejo aumenta para 62 casos e tem primeira morte.

Screenshot_20200403-140929_Chrome

O Alentejo aumentou para 62 casos detectado de Covid-19 e teve a sua primeira baixa. O relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24:00 de quinta-feira, indica que a região Norte é a que regista o maior número de mortes (131), seguida da região Centro (61), da região de Lisboa e Vale do Tejo (51) e do Algarve, em que hoje se mantém o mesmo número de mortos (3). A DGS refere a existência de 74 377 casos suspeitos e 5 392 pessoas a aguardar os resultados das análises realizadas.

Boletim DGS: 9.886 casos confirmados, 246 vítimas mortais.

Screenshot_20200402-130509_Chrome

Portugal tem agora um total de 9.886 casos confirmados de Covid-19, segundo o Relatório da Direção Geral da Saúde sobre a situação epidemiológica desta sexta-feira, dia 3 de abril. É um aumento bruto de 852 casos que representa um salto de 9,4%, inferior aos 9,5% de ontem. Já o número de mortes subiu de 209 para 246, com 37 vítimas mortais registadas nas últimas 24 horas: é o maior aumento de óbitos diário em Portugal, um salto de 18%. Mantêm-se os 68 casos recuperados de ontem.

PSP e GNR em “fiscalização reforçada” nas próximas semanas.

agentes-gnr

Hoje, no Ministério da Administração Interna, a PSP e a GNR fazem uma conferência de imprensa conjunta sobre o a intensificação das operações de fiscalização a partir de hoje, dia em que começa o segundo período do estado de emergência, depois de aprovada a sua renovação. A partir desta sexta-feira ambas as as forças estarão no terreno com “fiscalização mais apertada nas vias rodoviárias principais” para ver se os cidadão estão a cumprir, segundo explicou Vítor Rodrigues, diretor de operações da GNR. Também a PSP vai verificar se as pessoas nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto “privilegiando a verificação nos grandes centros urbanos, nos pontos de aglomeração de pessoas e também do cumprimentos das medidas” impostas pelo estado de emergência que se estende, nesta renovação, até 17 de abril, explicou o director de operações da PSP Luís Elias.

Investigadores identificam fármaco que bloqueia efeitos da Covid-19.

mw-1024 (1)

Investigadores de um estudo internacional identificaram um fármaco, em fase clínica de testes, que bloqueia os efeitos da doença causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) na etapa inicial de infeção.

Os investigadores do Instituto de Bioengenharia da Catalunha, em Espanha, do Instituto Karolinska, na Suécia, do Instituto de Biotecnologia Molecular da Academia de Ciências da Áustria e do Instituto de Ciências da Vida da Universidade de British Columbia, no Canadá, identificaram o fármaco, que está em fase clínica de testes, utilizando rins minúsculos gerados a partir de células estaminais humanas, num laboratório de Barcelona, com recurso a técnicas de bioengenharia.

Os investigadores conseguiram decifrar como o SARS-CoV-2 interage e infeta as células humanas do rim e, a partir daí, começaram a testar o potencial do fármaco, segundo um artigo publicado na revista científica Cell.

Estudos recentes demonstraram que, para infectar uma célula, os coronavírus utilizam uma proteína, denominada S, que se une a um recetor das células humanas denominado ACE2. Ora, tendo em conta que essa união é a porta de entrada do vírus no organismo, evitá-la pode ser uma possível terapêutica.

“Estas descobertas são prometedoras para um tratamento capaz de deter a infeção num estádio inicial deste novo coronavírus”, comentou Núria Montserrat, investigadora espanhola, em declarações à agência espanhola Efe.

Covid-19. Parlamento aprova suspensão das rendas

980arrendamento_1_980_2500

A Assembleia da República aprovou as medidas de apoio ao pagamento de rendas para inquilinos com quebras de rendimento que vão vigorar até um mês após o final do estado de emergência – renovado esta quinta-feira por mais 15 dias.

A proposta do Governo foi aprovada na generalidade com os votos a favor de PS e a abstenção das restantes bancadas parlamentares e da deputada não inscrita Joacine Katar Moreira. Além disso, foi também aprovada por unanimidade a proposta que prevê o fim da caducidade e da suspensão da oposição à renovação dos contratos de arrendamento habitacionais e não habitacionais até ao dia 30 de junho (salvo se o arrendatário não se opuser ao término).

Os inquilinos abrangidos pelas medidas são aqueles que perderam, pelo menos, 20% do seu rendimento em relação ao mês ou período homólogo do ano anterior, ou se a taxa de esforço do valor da renda ultrapassar os 35%. Os inquilinos que queiram aderir a este apoio têm agora de informar o senhorio, por escrito, cinco dias antes do vencimento da primeira renda em que pretendem beneficiar da suspensão do pagamento.

Os inquilinos que tenham dificuldades no pagamento da renda contam ainda com a possibilidade de pedir empréstimos ao Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU). Os senhorios em apuros também podem recorrer a estes empréstimos, caso os inquilinos não tomem a iniciativa de o fazer.

Os pagamentos das rendas e dos empréstimos devem ser feito ao longo de um ano a contar da data do levantamento da suspensão do pagamento das rendas, em prestações e sem juros.

COVID-19: Rodoviária do Alentejo reduz oferta.

cimalrodalentejo_1_980_2500_1_980_2500

No contexto da pandemia Covid-19, o operador de transportes Rodoviária do Alentejo reduziu a sua oferta na região em cerca de 80%, com efeito desde 1 de abril.

Numa informação enviada pela CIMAL – Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral, autoridade regional de transportes, pode ler-se que a redução foi feita “de modo a manter os serviços públicos mínimos onde ainda se verifica procura, zelando pela protecção da saúde da comunidade e dos motoristas”.

Embora limitadas, estão asseguradas ligações aos destinos regionais com os quais Sines mantém mais relações, nomeadamente, Santo André, Santiago do Cacém e Troia.

Covid-19. Proibida circulação fora do concelho de residência na Páscoa.

naom_5e860a2162b34

O governo prepara-se para decretar restrições à circulação, sobretudo no período da Páscoa, de 9 de abril até dia 13. A circulação estará confinada ao concelho de residência, excepto para deslocações em trabalho.

Fonte do executivo disse hoje à agência Lusa que esta limitação à mobilidade dos cidadãos, durante um período de cinco dias, foi já aprovada na reunião do Conselho de Ministros que decorre no Palácio da Ajuda e que tem como ponto único a aprovação do diploma que regulamenta a prorrogação do estado de emergência que será decretado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Além da medida de confinamento dos cidadãos aos seus concelhos de residência, o Governo vai também limitar a duas pessoas a capacidade de transporte em veículos ligeiros, exceção feita a familiares diretos.

“Esta medida vai vigorar durante o período de renovação do estado de emergência, ou seja, 15 dias”, adiantou à agência Lusa a mesma fonte do executivo.